Páginas

quarta-feira, outubro 19, 2005

Pelo sim, pelo não ...

Neste próximo final de semana milhões de pessoas, antes sem informação e agora desinformadas, votarão em uma importante questão onde causa e efeito foram artificialmente associados.
Alguns milhões de dolares depois, é provável que o único efeito concreto dessa iniciativa seja o impacto sobre a participação das empresas brasileiras no mercado internacional de armas leves.
Um taxista cujo hobby é realizar enquetes informou que os mais instruidos e os mais bandidos são contra o desarmamento, ambos porque consideram-no um cerceamento à liberdade.
Os mais pobres e a classe média são a favor, mas imaginam estar votando para resolver o problema da violência urbana (que, convenhamos, tem alguma chance de ser resolvida com outro tipo de voto, durante as eleições).
As pesquisas apontam para uma disputa acirrada. Não podia ser de outra forma já que votar SIM quer dizer não, e votar NÃO significa dizer sim, e tanto num caso como no outro TALVEZ alugns saibam no que realmente estão votando.
E eu fico pensando que todo esse investimento e mobilização popular poderiam ter sido direcionados para resolver alguns dos problemas de base verdadeiramente relacionados com a violência urbana no Brasil, o país do desperdício.

Um comentário:

leila reis disse...

vc vai votar SIM para dizer NÃO ou vai votar NÃO para dizer SIM?
Neste mundo oceânico de informações contraditórias, só nos resta escolher pelo perfil das pessoas que defendem o sim e o não. Fleury X Chico Buarque.
Por mim, acho que os que defendem o SIM contra são mais confiáveis do que os do outro lado. Vc não acha?