Páginas

sexta-feira, dezembro 31, 2010

Barbie Blowjob

O Arguta Café costuma acomodar postagens razoavelmente familiares.
Mas considerando que o ano está acabando e que, em dois dias, poderei dizer que foram águas passadas, não resisti à tentação de estabelecer este registro.
Passeando pela praia aqui da Riviera, em Bertioga, pude observar que cirurgiões plásticos e esteticistas andam trabalhando muito.
A quantidade de pós-balzaquianas apresentando níveis acima do natural de botox para rugas eliminadas, ácido para lábios mais carnudos, lipoaspiração e escultura para barriguinhas mais jovens, silicone para peitos suspeitos e outras coisas que ainda não conheço mas sou capaz de reconhecer pela artificialidade é, literalmente, assustadora.
Claro que tudo isso vem acompanhado de cabelereiro, maquiagem e perfume de boa qualidade ... na praia, pela manhã !!!!
Correndo distraidamente a beira mar, num dado momento dei de cara com um grupo de jovens senhoras portadoras da referida síndrome.  A sensação foi a de que estava tendo um pesadelo onde clones envelhecidos da Angelina Jolie estavam prestes a me atacar.
Mais para frente, já recuperado do susto, topei com outra, que caminhava sozinha dentro de seu biquini francês com grandes argolas douradas, a passos curtos e rápidos e com os braços levemente flexionados.  Cheguei a olhar para os pés para ter certeza de que não estava usando salto alto.
- Barbie Boquete ! - o nome da síndrome "popapou" na mente, assim, de repente.
Confesso que me senti desconfortável com o insight de mal gosto, experimentando uma sensação de injustiça em relação a essas mulheres que, no fundo, são vítimas da ditadura da beleza (seja lá o que isso quer dizer).
Mas resolvi fazer a postagem mesmo assim, como um alerta para as leitoras do Arguta, principalmente as mais jovens, para que não caiam na tentação de exagerar na luta contra o tempo e a gravidade.
Uma mulher bem resolvida por dentro sempre é muito mais bonita do que uma recauchutada por fora.

quarta-feira, dezembro 29, 2010

Muy amigo

- Que cara de felicidade é essa, Argenor ?  Nove da manhã de uma segunda-feira e você de bom humor ?  Nunca ví isso !
- Acabei de voltar da casa do Almeida ...
- O Almeidinha ? .... Meio tonto, mas um bom sujeito ... O que é que você foi fazer lá tão cedo?
- Bem ... ele me pediu para dar uma olhada no computador ... estava com problemas para acessar a internet e ... você sabe ... o Almeida não entende picas de computador ...
- Isso lá é verdade .... se o Almeida pudesse, mandava cartas ao invés de e-mails ... Nem imaginava que ele usava um computador em casa !
- Ele não usa ... é a mulher dele quem usa ... a Maria Rita.
- Ah .... a Ritinha .... que mulherão, não ?   Honestamente ? ... Nunca entendi o que um mulherão daqueles viu no Almeida ...
- Pois é ... eu também não ... Quando o Almeida me disse que era para quebrar o galho da mulher dele, não resisti ... Fui lá para ver como é que era a coisa ...
- Logo ví ... Argenor, sem ganhar algo em troca, não é do tipo que faz favor ...
- Tem dó ô Oliveira ... me sacaneando com rima ? 
- E não é ? ... Bom, deixa isso para lá e me conta ... O que descobriu ?
- Bem ... combinei com ele de passar bem cedo, as 7h30, antes do trabalho.  Quando cheguei o Almeida já estava todo engomadinho, de saida para o escritório.  Fechamento de mês, sabe como é lá na contabilidade ...
- Claro que sei ... também trabalho no departamento financeiro, esqueceu ?
- Pois é ... lá no comercial a gente pode chegar um pouco mais tarde ... se não abusar, é claro ... mas também tem que ir naqueles coqueteis chatos, almoços com clientes ...
- Deixa de onda, Argenor ... você bem que gosta de uma festinha ... Mas fala da Ritinha, anda ...
- Então, o Almeida de terno e gravata e a Ritinha de pijaminha de verão ... toda despenteada, ainda cheirando a travesseiro ... um pecado !
- Pôrra Argenor ... já valeu a visita !
- E você ainda não ouviu nada !  O Almeida saiu dizendo para a Ritinha: "cuida bem do Argenor, que ele tá fazendo um baita favor".
- E depois você ainda reclama de mim ...
- O dia que você arranjar uma mulher como a Maria Rita eu paro de pegar no teu pé.
- Eu ?  Nem morto ? Estou muito feliz com a Marcinha e nem deixo ela fazer regime que é para marmanjo não ficar babando ...
- E depois o Almeida é que é tonto ... você é um nécio Oliveira, um nécio !
- E a Ritinha de pijaminha ?
- Então ... o negócio do computador foi simples de resolver ... era um problema de conexão do cabo de rede ... percebi logo mas dei uma enrolada, porque a Ritinha estava de pé do meu lado, com a xoxotinha encostada no meu ombro, toda dengosa e curiosa.  Dei uma valorizada no trabalho enquanto aproveitava aquele calorzinho ... Só ela para me fazer descobrir que meu ombro é uma zona erógena !
- Puta que pariu, Argenor !
- Vou encurtar a história ... quando acabei, a Maria Rita me abraçou toda feliz e saltitante ... estava sem sutiã debaixo do pijaminha de seda ... sabe lá o que é isso ?  Aquele corpo gostoso se esfregando no meu, num pijama de seda e sem nada por baixo ? Não resisti e tasquei-lhe um beijo na boca !
- Puta que pariu, Argenor !
- Achei que ia tomar uma bofetada, mas para minha surpresa ela até correspondeu ...
- Puta que pariu, Argenor !
- Porra, quer parar de gritar puta que pariu ?
- Desculpa, mas o que é que você quer que eu diga ?  Puta que pariu !!!!
- Ai, ela me disse que o Almeida havia lhe dado instruções para me agradar da melhor forma possível ... e já tinha avisado que eu era meio safado e que iria ficar muito contente se ela me desse uma colher de chá ...
- Puta que pariu, Argenor ! Mas isso está mais para concha de sopa ...  Esse Almeida é louco !
- Foi o que eu pensei na hora ... mas deixei para avaliar isso depois ... o computador fica no quarto do casal ... parei de pensar, derrubei a Maria Rita na cama e disse para ela que o Almeida tinha razão ...
- Puta que ...
- Que mulher deliciosa, Oliveira ... o Almeida relamente é um cara de sorte.  Nunca fui tão bem tratado na minha vida ... e olha que tenho um bocado de experiência !
- Porra, mas esse Almeida é um puta corno-manso !
- Que nada Oliveira ... ele é de uma generosidade de Esquimó ... E eu não admito que você fale mal do meu amigo Almeida, por favor !
- Generosidade um cacete !  Essa Maria Rita é uma vagabunda e o Almeida tá carregando umas galhadas enormes ...
- Oliveira ... você só está confirmando o nécio que já sabemos que é ... O Almeida e a Maria Rita são um casal moderno, tem um relacionamento baseado em coisas mais importantes do que o sexo e a posse ... O Almeida sabe que a Maria Rita gosta de se divertir e, numa situação como essa, me conhecendo, deu carta branca para a moça ... Tá vendo ... você queria saber o que é que a Maria Rita via no Almeida ?  É isso ... o homem está acima de todos nós, Oliveira ...  Nem eu nem você merecemos uma mulher como a Maria Rita ... a gente iria querer logo colocar uma coleira ... ou pior, entupir a moça de chocolate como você faz com a Marcinha.
- Vem com essa não, o Argenor ... Lá em casa eu mesmo conserto o computador  ...  Cada doido com sua mania e eu não gosto de enfeite na minha cabeça.  Mas tenho que reconhecer que vocé acabou se dando bem nessa ... Pena que o computador não quebre toda hora ...
- Bem ... eu expliquei para a Maria Rita que vou precisar dar uma passadinha lá na sexta-feira de manhã para defragmentar o HD dela, porque senão ela corre o risco de perder tudo e o computador travar de novo ... E na semana que vem, prometi trocar a fonte, que já está abrindo o bico ...
- Puta que pariu, Argenor ...

sábado, dezembro 25, 2010

A casa

O corretor perguntou:
- E então ?  O senhor gostou da casa ?
- Gostei muito, mas não tem chaminé ... - respondeu o comprador.
- Chaminé ?  O sernhor quer uma casa com lareira ?
- Quero uma casa com chaminé ...  e bem larga, se possível.  Se o senhor encontrar uma com chaminé e sem lareira, pode ser ...
- Moramos num país tropical ... não acredito que será possível encontrar uma casa com lareira aqui numa cidade de praia do nordeste ...
- Como disse, não preciso de lareira ... só da chaminé.  É para o Papai Noel, sabe ?
- O senhor só pode estar brincando !!!
- Agora não ... mas vou estar em breve, quando o Papai Noel me trouxer o que pedi no Natal.
- Mas meu senhor ... Papai Noel não existte ...
- Prove !
- Como assim ... provar ? 
- Me dé uma evidência científica reconhecida de que Papai Noel não existe !
- Ora .. não dá para provar definitivamente que alguma coisa não existe ...
- Então quero uma chaminé ... ou então o senhor vai ter que me conseguir 20% de desconto na casa ... pois vou ter que construir uma chaminé antes do Natal.  Não posso correr o risco de perder a visita do Papai Noel.
- 20% é muito ... mesmo que eu abra mão de parte da minha comissão, vai ser difícil ...
- Difícil é o Papai Noel entrar numa casa sem chaminé ...
- Ok, vou ver o que posso fazer e procuro o senhor amanhã ...
- Com chaminé ou 20% de desconto !
- Já entendi ... pode ficar sossegado ...
O corretor foi embora pensando em como é que conseguiria convencer o proprietário a dar um desconto por falta de uma chaminé para o Papai Noel.
O comprador observa o corretor se afastando com um sorriso maroto e telefona para sua mulher ...
- Olá querida ... vocé tinha razão ... a casa é perfeita .... conversei com o corretor ... ele vai tentar conseguir um desconto para podermos construir a piscina ... sério ... ele saiu daqui determinado a conseguir ... verdade .... e você disse que só acreditando em Papai Noel ... mulher de pouca fé !!! (rs)

sexta-feira, dezembro 24, 2010

Blogando para as paredes da fibra óptica

Nessa época do ano os leitores do Arguta tem mais o que fazer do que perder tempo lendo as bobagens que eu posto.
Bom sinal.
Mas confesso que sinto falta dos amigos virtuais.
Não deixo de escrever porque, no fundo, escrevo antes para mim mesmo.  É um hobby, um prazer e uma realização.
E acabou se transformando numa forma de estabelecer relacionamentos especiais, interessantes e divertidos.
Blogueiros são um povo bacana e compõem uma rede social distinta das demais, caracterizada pela generosidade no compartilhamento de idéias.
A Ti costuma dizer que a gente conhece melhor um blogueiro pelos comentários do que pelas postagens, porque são mais expontâneos e "descuidados".  Ela não deixa de estar certa (como sempre, aliás).
Eu adoro os comentários, mas prefiro as entrelinhas das postagens, onde a ficção e a realidade se encontram.
Navegar pelos blogs é uma experiência e tanto.  Nos últimos anos, substitui o velho hábito da leitura de livros.  Leio menos livros e mais pessoas.  Troca justa, depois de tantos anos de leitura intermediada (pelas editoras).  Nada contra livros e editoras, é claro.  Na semana passada comprei 12 livros para o meu Kindle for Mac.  Mas realmente adoro acompanhar blogs.  Alguns deles cotidianamente.
Para os amigos blogueiros que, como eu, seguem por aqui, deixo um beijo bem grande.
Que bom encontrar vocês ...

quinta-feira, dezembro 23, 2010

Presente: pseudo-ode anacreôntica



É mais importante "estar" do que "dar" presente
Embora exista quem pense de maneira diferente
E quando alí estamos, frente a frente
Se interesse mais pelo pacote do que pela gente
Até disfarçam, mas o olhar não mente
É a qualidade do mimo que lhe deixa contente

quarta-feira, dezembro 22, 2010

Outros caminhos

Recomendo a leitura da matéria da revista Trip, realizada no Centro Metamorfose,  sobre massagem tântrica.
Quer ter um ano novo diferente, faça coisas diferentes ....

terça-feira, dezembro 21, 2010

Números

"Os números certamente são capazes de contar uma história, mas você também pode contar sua história com os números ..."

(para compensar a postagem longa anterior)

domingo, dezembro 19, 2010

O homem do cajado grande

Um homem grande, portando um enorme cajado, chegou a um pequeno vilarejo, sendo recebido pessoalmente pelo prefeito da cidade.
- Seja bem vindo, forasteiro.  Já ouvimos falar muito de você e de suas realizações pelo mundo a fora.  É uma honra recebê-lo entre nós.
- Muito obrigado, senhor prefeito.  Será um prazer desfrutar de sua hospitalidade.  E já pensei numa maneira de retribuir.  De passagem pelas ruas da cidade, já deu para perceber que há muito disperdício por aqui e a administração poderia estar melhor organizada.  Creio que posso ajudá-lo a cortar alguns custos e revisar a estrutura de comando da cidade, de modo a torná-la mais eficiente.
- Que bom ... será muito bom aprender com um mestre.  O pessoal aqui leva muito a sério seu trabalho, o ambiente da cidade é ótimo, os resultados são bastante positivos.  Somos a melhor cidade da região, mas certamente ainda temos muito que melhorar.  Como o sernhor já foi prefeito de uma cidade grande, certamente nos dará excelentes sugestões.
Passado algum tempo, o homem grande chamou o prefeito para uma conversa...
- Senhor prefeito, com todo respeito, isso aqui está uma bagunça.  Falta comando, todo mundo faz o que bem entende.  O desperdício é notório em diversas atividades. e parece que ninguém se incomoda com isso.
O prefeito respondeu com um sorriso indulgente ...
- Imagino que tudo aqui seja muito diferente da cidade grande de onde o sernhor veio.  Mas cidades pequenas são assim mesmo.  Dependem do comprometimento de toda a população para crescer e isso só se consegue se cada um tiver seu quinhão de responsabilidade e, obviamente, autoridade para cuidar do que lhe cabe.
- O discurso até que é bonitinho, senhor prefeito, mas de autoridade eu entendo.  Manda quem tem o maior cajado e o resto tem que obedecer, senão vira bagunça.  Como, aliás, já virou ...
- Quem tem um cajado grande pode, de fato, ceder à tentação de tentar obrigar a população a atender aos seus interesses pessoais.  Mas um prefeito não está na posição de fazer valer seus interesses e prevalecer suas opiniões.  Sua tarefa é maior e mais complexa.  Ele precisa entender e atender as necessidades da população, de forma individual e coletiva; precisa motivar as pessoas a colaborar com a coletividade local, estadual e federal, seguindo as leis, pagando impostos e cumprindo com suas responsabilidades, enquanto oferece condições para que realizem seus próprios desejos.  Algumas vezes, precisa obter concessões do Estado para que as pessoas da cidade possam desempenhar melhor seu trabalho.  Se quiser realizar tudo isso com a ameaça do seu cajado, sugiro que arranje um maior.  O seu é grande, vai impressionar muitas pessoas, mas não todas.  E, certamente, não vai motivar ninguém.
- Balela ... falta de motivação se resolve com uma boa cajadada!  Não dá para conviver com esse grau de ineficiência ...
- Pessoas não são essencialmente eficientes em suas atividades.  Aliás, nem as mâquinas tem eficiência absoluta, como o senhor bem deve saber.  Um motor de carro,  por exemplo, desperdiça dois terços da energia gerada pela queima do combustível.
- Já percebi porque é que o senhor foi eleito prefeito ... é muito bom com as palavras.  Mas isso não muda o fato de que é possível melhorar muito a eficiência de praticamente todos os departamentos da prefeitura.  Estou aqui há um par de meses e já pude perceber isso com clareza.  Tem dinheiro aqui escorrendo pelo ralo.
- Meu caro senhor ... melhorar a eficiência de um processo não significa, necessariamente, melhorar a eficiência do todo.  Claro que, quase sempre, ajuda muito.  E é por isso que estimulamos cada um dos responsáveis a se preocupar com isso, buscando melhorar sempre.  Mas, excetuando-se pelos casos em que a eficácia está comprometida, a busca do aumento da eficiência das partes está condicionada a uma visão mais abrangente.  Todos precisam ter como prioridade o plano diretor da cidade, para garantir que nossos objetivos coletivos e individuais sejam atendidos.  Venha ver uma coisa, por favor ...
O prefeito levou o forasteira até seu gabinete.  Lá chegando, abriu um um armário que ocupava toda a parede, atrás de sua mesa, onde havia um enorme cajado branco.
O forasteiro supreendeu-se:
- Mas o senhor tem um cajado maior do que o meu !!!
- Na verdade, não é meu.  Está à disposição de qualquer pessoa que ocupe a cadeira de prefeito.  Mas estou aqui há alguns anos e nunca precisei usá-lo.  Na verdade, é a primeira vez que abro esse armário para mostrar o cajado para alguém.
- E porque não usa ?  Se andasse por aí com seu cajado, as coisas seriam melhores ...
- Entre outras coisas, meu caro, um homem que se apoia num cajado se torna dependente dele e não será capaz de realizar mais nada se um dia o cajado lhe faltar.  Prefiro não me acostumar com ele.  Mas até usaria, se acreditasse que poderia realizar melhor o meu trabalho.  Eu preferi dar um cajado para cada uma das pessoas da cidade, e ensinar como deveriam agir para não precisar usá-lo.  O resultado, como o senhor sabe, é que apesar das ineficiencias que o senhor aponta, nossa cidade vai muito bem.
O homem grande não ficou convencido, mas dado o tamanho do cajado do prefeito, preferiu não discutir mais.  Despediu-se, aborrecido, e deixou a cidade pensando em quantas coisas boas poderia ter feito com seu cajado se não tivesse encontrado um cajado maior pelo caminho.
Conclusões dessa curta história:
1. Um homem grande nem sempre é um grande homem
2. Quem quer realizar alguma coisa pela força do cajado, vai acabar tendo que fazer isso sozinho
3. Por maior que seja o seu cajado, sempre se pode encontrar alguém com um cajado maior
4. Só quem tem medo do cajado acha que os outros também terão

sábado, dezembro 18, 2010

Chique ... (momento de observação)

Fui ao Iguatemi assistir o Tron (que não recomendo).
Havia acabado de instalar um chuveiro na casa do meu filho e estava vestido de acordo (com a tarefa): jeans e camiseta velha do mickey.
Passeando pelo shopping percebi que não sou chique.  Talvez porque optei por ser feliz.
Digo isso porque, de um modo geral, observei (não pela primeira vez) que a chiquiteza caminha na razão inversa da felicidade, a julgar pelas expressões dos rostos das pessoas.
Estava atrasado para o filme e deixei o assunto de lado.
Qualquer dia volto lá para continuar a pesquisa.

Vida acelerada

Se você duvida que a vida está muito mais acelerada hoje em dia do que hâ 30 anos, assista um filme de ação antigo.
Ja fiz isso um par de vezes com meu filho e com a namorada (que é suficientemente mais nova) ... escolhi filmes dos quais havia guardado grandes recordações e ... supresa:  irritantemente lentos, até para mim.
Trinity foi um deles.  Continua divertido ... mas o filme tem looooongos períodos durante os quais nada acontece.  Muito diferente dos atuais.
A única exceção até o momento foi "9 1/2 semanas de amor"  (que já comentei por aqui).  Esse continua muito atual e me ofereceu a oportunidade de ter um segundo ponto de vista, o do cara mais velho (Mickey Rourke) que desafia a garota assustada a viver o prazer do momento e confiar.  Quando assisti da primeira vez, lá pelos 20 anos, achei o cara maluco.  Agora entendo perfeitamente o que ele estava oferecendo para a garota e lamentei que ela não tivesse sido capaz de "segurar a onda".

sexta-feira, dezembro 17, 2010

Licor de cereja

O doce vermelho toca meus lábios enquanto a língua brinca com as pedras de gelo, barrando sua entrada.
O licor é uma bebida de alma feminina.  Perfumado, aveludado, de um querer mais já antes do final de cada gole, como um beijo de mulher.
E a cereja, essa fruta exótica.  Sedutoramente elegante, vestida com o manto de uma rainha, tem um sabor único, cada uma delas.
O licor é a cereja ébria, intensamente entregue ao desejo de ser consumida.
Um pequeno cálice de licor de cereja antes de dormir é como um beijo cheio de promessas.  Excita a imaginação.

quinta-feira, dezembro 16, 2010

Sugestões para presentes de Natal

Meninos e meninas costumam dizer que é muito difícil escolher presentes para o sexo oposto.
Trata-se de uma óbvia falta de empatia.
Como disse uma amiga minha, difícil se colocar no lugar de alguém que não se entusiasma com um sapato novo e não se emociona com a Clarice Lispector.
As mulheres podem superar essa dificuldade utilizando um de seus maiores talentos: a observação.  Os homens dão várias pistas sobre as coisas importantes e seus desejos mais relevantes.  E costumam ser explícitos.
Outra amiga, mais pragmática, empenhada em escolher um presente realmente especial para o aniversário do seu namorado, escutou-o comentando com os amigos que nunca havia transado com uma japonesa.  Contratou uma garota de programa japonesa e lhe deu uma festa surpresa de presente.  Esse não troca de namorada nunca mais...
Então, a dica para as meninas é imaginar o prazer que o homem terá usando o presente. 
Para os homens é um pouco mais difícil, porque as mulheres não valorizam o que é fácil.
Quem diz que as mulheres gostam de coisas caras não poderia estar mais longe da verdade.
Um colar feito com um pedaço de coral de sua cor preferida, resgatado do fundo do mar pelo amante durante um mergulho perigoso num mar revolto vale muito mais do que uma joia cara comprada displicentemente pelo marido rico.
Claro que se ela puder ter os dois, melhor.
Há que se compreender a lógica feminina.  Mulheres são essencialmente competitivas.  Um amante que corre risco de vida para presentea-la e um marido sob controle impressionam mais do que um scarpin italiano e uma bolsa francesa.
Logo, a dica para os meninos é imaginar o prazer que a mulher terá contando sobre o presente para as amigas.
Em qualquer dos casos, há que se ter a real intenção de presentear.

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Possibilidades

Você prefere acreditar que é possível, tentar, e eventualmente falhar, ou envelhecer remoendo o arrependimento de não haver tentado ?

terça-feira, dezembro 14, 2010

Possuido

O que nos faz amar uma mulher ?
O olhar, o sorriso ...
O cheiro, o toque, o calor do corpo ...
As vezes eu tenho a impressão de que tudo isso vem depois, fruto de nosso impulso de admirar os detalhes.
O amor nasce da percepção integral e se mantém pela atitude, que reflete a qualidade daquilo que costumamos chamar de alma.
Quando o amor está, os detalhes são deliciosos.
A presença completa, a ausência deixa saudades, o abraço tranquiliza, o beijo excita, cada olhar é um encontro e as palavras são sempre um afago.
O amor é uma espécie de energia que permeia e conecta todos os momentos dando um sentido especial para eles.  Um sentido que transcende seu significado individual.
A gente olha para o dia que passou, pensa no dia que virá e tudo sempre faz sentido.
Que poder tem uma mulher ...
Que poder tem a mulher que eu amo ...

domingo, dezembro 12, 2010

Detalhes natalinos

Sabe porque as lampadinhas chinesas tocam aquela música irritante o tempo todo ?  Porque os chineses não comemoram o Natal.
Eu não comprei porque não preciso.  Moro ao lado da Avenida Paulista.  Do sofá da minha sala dá para ouvir a música de Natal de dois bancos diferentes e luzes coloridas é o que não falta.
Sabe ... era mais fácil explicar a história do Papai Noel para as crianças quando não havia um em cada shopping ...
Não sei se vocês sabem, mas o dressing code atual do Papai Noel foi criado pela Coca-Cola.
Há alguns anos sugeri que o Guaraná Antártica lançasse um Papai Noel tropical.  Não "colou".
Teria sido uma boa idéia ... quem já se fantasiou conhece o drama.
Uma coisa que eu não consigo entender bem, considerando que o Natal é a comemoração do nascimento de Jesus de Nazaré,  é porque que utilizamos o Papai Noel da Coca-Cola como símbolo ao invés de Jesus ou, pelo menos, de um dos Reis Magos ....  Papai Noel nem era nascido naquela época ...  E há dúvidas de que seja Cristão, sendo tão materialista ...
Se o símbolo do Natal fosse Jesus não precisaríamos gastar uma fortuna em presentes e ceias mirabolantes.  Bastaria dividir o pão.  Ok, seria ruim para o comércio em geral, com a provável exceção das padarias ... mas pareceria mais cristão.
E se fossemos dar presentes, seria algo com o mesmo simbolismo do ouro, do incenso e da mirra, as oferendas dos reis magos.  O ouro simboliza a realeza (Jesus seria o Rei dos Judeus) ou a nobreza (aí, no sentido espiritual); o incenso representa a fé; a mirra, utilizada para embalsamar as múmias do Egito, remete à vida após a morte.
Não sendo eu um católico praticante, posso estar cometendo algum equívoco, mas entendo que os três presentes simbolizavam a futura trajetória de vida de Jesus.
Nossos presentes poderiam ser simbólicos e representar nossos melhores desejos para o próximo.
Não vou dar exemplos aqui porque minha verve humorística esculhambaria a postagem, que começou sarcástica mas acabou ficando quase poética.
Oba ... a música do banco parou ... agora só dá para escutar o apito dos guardas tentando por ordem no trânsito ....

sábado, dezembro 11, 2010

RAP

Essa é a trilha do futuro dos aliados ... rítmo e poesia ... Tá ligado ?

RAP weekend !

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Energias

Há um fenõnemo para o qual cabem várias explicações de diversas naturezas, mas que é interessante por sí só.
Sinto que algumas pessoas são capazes de despertar uma simpatia instantãnea.  Antes de falarem qualquer coisa ou fazerem qualquer gesto, você já sente que são "do bem".  Outras provocam o sentimento oposto.
Quase sempre o tempo confirma essa primeira impressão.
Eu tenho a sensação de que somos capazes de sentir uma certa "energia" emanada por essas pessoas, mais "leve" e agradável no primeiro caso, e mais "pesada" e incômoda no segundo.
A pergunta é: sou só eu que tenho essa impressão ou alguém mais embarca nessa maluquice ?

quinta-feira, dezembro 09, 2010

A moda antiga (recado para os meninos)

As muheres tem reclamado cada vez mais da agressividade e da passividade masculina.
Aparentemente, os homens "livres" se dividem em dois grupos: os que estão mais interessados em si mesmo do que no sexo oposto e os que tem dificuldade para entender que ter "pegada" não significa necessariamente pegar a força.
O ponto positivo é que as meninas andam mais tolerantes com os poucos que escapam dessa classificação.
Mas vai aqui um recadinho para os demais ... Vale a pena investir algum tempo para conhecer e entender as mulheres.
Elas são verdadeiramente mais interessantes do que o futebol, mais gostosas do que a cerveja e, quando bem tratadas, podem ser mais divertidas do que chopp com os amigos.  E você não precisa abrir mão de nada disso para ter uma companheira interessante (eu que o diga).
Atenção, respeito e carinho não custam nada e tendem a gerar uma deliciosa reciprocidade.
Vamos lá, pessoal ... sei que o mundo mudou e que todo mundo quer ser moderno ... mas nada é mais moderno do que um amante a moda antiga ...

terça-feira, dezembro 07, 2010

Causa e efeito

Acabo de ler uma matéria no Estadão sobre um estudo realizado por um epidemiologista californiano que estudou 100 mil mulheres e 28 mil crianças de 7 anos (filhos).
As mães de cerca de 3% das crianças afirmam que elas têm problemas comportamentais limítrofes, e outros 3% demonstraram comportamento anormal, como problemas de obediência ou questões emocionais.
O estudo descobriu que crianças que usam celular, filhos de mães que usaram celulares durante a gestação apresentam probabilidade 50% maior de apresentar problemas. 
Querem induzir à conclusão de que o uso de celular é prejudicial à saúde.
Fiquei curioso ... quem será que patrocinou o estudo ?
Só para constar, a maioria dos "estudos médicos" dessa natureza que tive a oportunidade de conhecer não controlam todas as variáveis.  Mães que vivem grudadas no seu celular certamente tem uma relação diferente com seus filhos do que aquelas que não usam celular.  Só isto bastaria para justificar as difereças de conduta das crianças.
É por isso que somos bombardeados por estudos que dizem que algumas coisas fazem mal num momento e essas mesmas coisas são resgatadas por outros estudos alguns anos depois (café, vinho, chocolate, por exemplo).
Quase sempre é possível torturar os números até que confessem o que queremos.
Para ser pesquisador de verdade, também é necessário desapego.

Desaprendendo (pensamento noturno)

Já fui o que se costuma chamar de "imaturo".
Ai fui aprendendo a ter paciência, a controlar as emoções, a analisar as situações sob diversos ângulos, a assumir responsabilidades e a cuidar do outro (entre outras coisas).
Amadureci.
Eis que descubro que, para não "apodrecer" depois de haver amadurecido, preciso desaprender boa parte das coisas que aprendi.
A vida pode ser tudo, menos monótona.

domingo, dezembro 05, 2010

Ajuda para sua mensagem de final de ano

Tarefa difícil essa de encontrar uma nova mensagem criativa a cada final de ano para brindar os amigos e parentes.
Uma alternativa pratica é desejar "o mesmo que desejamos no ano passado e um pouco mais para o próximo".   Claro que essa afirmação parte do pressuposto de que você algo tenha sido desejado no ano anterior.
Os mais ressabiados também podem optar por "desejo em dobro tudo aquilo que você me desejar".
Os "justos" podem recorrer a "que Deus lhe dê o que você merece".  Os minimalistas ficariam com "um ano melhor".  Os pessimistas com "que não seja pior".  Os otimistas sempre podem dizer que "o pior já passou". E os holísticos "desejam tudo de bom".
As cores também são importantes.  Vermelho escuro representa "requinte e liderança"; verde "vigor e juventude"; amarelo a "prosperidade"; azul-claro a "tranquilidade"; o branco, tradicional, a "paz e a pureza".
Imagens tradicionais como a foto de um céu azul, do mar verde sobre areias claras, uma pomba branca, um arco-íris, crianças brincando e a familia sorrindo também são uma solução clássica.
Mas se você quiser ser lembrado, precisa ser criativo, no texto e na imagem.
A foto do Borat, que ilustra a postagem, por exemplo ... claramente otimista (mãos fazendo o sinal de "positivo"), o sungaiô (nome que dei à vestimenta) verde formando um sorriso que contorna o chakra Swadhistana, da força e vitalidade, céu, mar, gente relaxada e ele, Borat, feliz ... nem precisa de texto.
Associações inesperadas são uma outra opção.  Você pode desejar que se "tenha uma vida de cão", considerando que os animais de estimação vivem muito melhor do que os donos hoje em dia. Nesse caso, associar uma imagem ao texto é importante para não correr o risco de ser mal interpretado.
Agora, se você quiser ser realmente criativo, escolha uma frase impactante e sem sentido claro, ou uma mensagem em alguma lingua desconhecida.  Algo como "a profícua plenitude da elação" ou "kesehatan dan kesejahteraan" (saúde e prosperidade em indonésio).
Ser moderno mesmo é não mandar nada, uma atitude totalmente sustentável.  Um sorriso, um abraço e um beijo gostoso em quem encontrar pelo caminho não gastam papel, não entopem a caixa postal e são sempre bem recebidos.

sábado, dezembro 04, 2010

Massagem Tântrica

Já que tem gente que fica meio constrangida quando eu explico pessoalmente, indico o vídeo.

Os ateus

O Ministério Público Federal está exigindo que a TV Bandeirantes exiba uma retratação em função das declaracões do Datena sobre os ateus. 
O apresentador predileto de alguns afirmou, durante a apresentação de um de seus aprazíveis programas no último mes de julho, segundo o UOL: “...porque o  sujeito que é ateu, na minha modesta opinião, não tem limites, é  por isso que a gente vê esses crimes aí”.
Bem, outro dia eu escutei uma senhora nada cristã comentando que só contratava moças evangélicas para trabalhar na sua casa porque eram limpinhas e não roubavam.
E depois os brasileiros se dizem alheios as questões de intolerância religiosa, como se isso fosse coisa da turma do oriente médio.  Deles eu não posso falar.  Tudo o que sei é o que vem sendo publicado pelas agéncias de notícias norte-americanas.  As poucas vezes em que tive a oportunidade de assistir a Al Jazeera foi em árabe, e estou meio enferrujado nessa língua.
Mas o nosso povo posso observar "in loco" e conhecer seus tabus e preconceitos.
Como não sou um tipo de ideias muito convencionais e costumo me divertir confrontando, com respeito e bom humor, as certezas alheias, tenho a rara oportunidade de conhecer alguns pensamentos que escapam da auto-censura cotidiana.
Nenhuma crítica... cada qual com suas idéias.
Mas que é chato ver alguém ganhar (muito) dinheiro para promover idéias tacanhas na televisão, isso é.
Acho bacana a iniciativa do MPF, mas se eles assistirem todos os programas do moço vão ter muuuuito trabalho pela frente.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

Kosmos

Adoro quando encontro um livro que, de algum modo, ajuda a organizar o que estou pensando.
Confesso que também sou daqueles que escolhem o médico pelo diagnóstico, mas isso é outra história.
Uma das coordenadoras do Centro onde faço o curso de massagem tântrica, a Alopa, recomendou a leitura de um livro de Ken Wilber, "Uma teoria de tudo" (Cultrix - 2000).
Mal comecei e já estou adorando.  Vai resultar em postagens interessantes.
A proposta de uma visão integradora em oposição a abordagem fragmentada a qual fomos acostumados (o estudo aprofundado das partes) é sedutora e faz todo o sentido para mim.
Recomendo, mesmo antes de acabar de ler.

quinta-feira, dezembro 02, 2010

Debate em São José - Eleva

Gostei muito de participar como debatedor do envento da Eleva, em SJC, no painel sobre sustentabilidade.
Evento muito bem organizado.
Platéia grande, simpática, inteligente, carinhosa e participativa.
Companheiros de debate articulados e com grande conhecimento de causa.
Moderadora eficientíssima.
Com tudo isso, as duas horas de debate passaram rápido e todos tiveram a oportunidade de aprender alguma coisa.
Falamos sobre temas variados, guiados pelas perguntas e inspirados pelas contribuições das diferentes visões de cada debatedor.
Impacto ambiental do trem bala no Vale, influência da descoberta do petróleo pré-sal na motivação do governo em apoiar energias alternativas, a relação entre a produção de energia eólica e a migração dos patos, rãs atravessando auto-estradas, apoio de stakeholders, importância da educação, gerações boomer, X, Y e Z, etc, etc, etc, etc ...
Minha conclusão pessoal foi a de que para garantir a inovação sustentável devemos pegar o petróleo do pré-sal, botar no trem bala, tomar cuidado para não atropelar o sapo e correr para resgatar o pato, não sem antes consultar os stakeholders.
Sei não se me convidam de novo ...

quarta-feira, dezembro 01, 2010

Inovação sustentável

Hoje à noite vou participar de um debate no ELEVA (Encontro de Lideranças do Vale do Paraiba), e sustentabilidade será o tema.
Minha contribuição será compartilhar a visão executiva (do gestor) sobre o que é ser sustentável do ponto de vista empresarial.
Certamente vai dar o que debater...

terça-feira, novembro 30, 2010

O poder da intenção

Intenção é uma palavra que tem um sentido coloquial bem mais suave do que seu sentido esotérico.
O melhor sinônimo coloquial para intenção é "propósito".
No campo esotérico, intenção não tem um sinônimo, mas pode ser descrita como um propósito absoluto, que une a mente, o corpo e a emoção para um objetivo determinado.
Esse alinhamento total não decorre de uma decisão ou desejo consciente, embora possa ser motivada por isso.
O fator determinante do alinhamento é o que poderíamos chamar de uma energia invisível que anima o universo.  Corpo, mente e emoções se sincronizam com essa energia (já ouviram falar do conceito de sincronicidade, do Jung ?).
Um exemplo facilmente compreensível do ânimo da intenção é uma mãe partindo para socorrer o filho numa situação de perigo.  Pensamento, corpo e emoção alinhados para um propósito absoluto: salvar o filho.
Pessoas "comuns" só experimentam a intenção, no sentido esotérico, em momentos como esse.  No resto do tempo vivenciam apenas a intenção coloquial, ou seja, uma vontade, desejo ou propósito consciente, com base racional, emocional ou fisiológica.  Uma das três.  As vezes, duas das três.  Raramente as três juntas. E, quase nunca, alinhadas com a energia universal.
Embora seja um mecanismo geralmente inconsciente, pode-se treinar a intenção a partir da prática de duas atitudes: o desapego e a impecabilidade.
O desapego é necessário para permitir a conexão com a energia universal.  A impecabilidade (fazer sempre o melhor possível) desenvolve a energia interna necessária para estabelecer uma conexão estável e duradoura.
Isso tudo parece conversa de maluco, misticismo de fundo de quintal ou qualquer coisa assim.
Essa é uma característica própria dos conhecimentos esotéricos.  As palavras não dão conta de expressá-los.  É necessário experimentâ-los.
Observe as coisas mais simples.  Um "bom dia" de um amigo, um beijo do namorado, o olhar de um desconhecido ou uma massagem (meu hobby atual).  Se estiver atento e aberto para isso, você irá perceber a diferença entre o bom dia, o beijo, o olhar ou a massagem animados pela intenção e aqueles meramente protocolares.  O bom dia educado, o beijo displicente, o olhar desatento ou a massagem técnica são inóquos, insignificantes.  Que diferença enorme quando são praticados com intenção.
Crianças são naturalmente animadas pela intenção.  Na medida em que crescem, incorporam atitudes que prejudicam essa capacidade de alinhar-se por inteiro com o universo.  Fragmentam-se.
Sem nos darmos conta, terminamos assim, fragmentados.
Apesar da pobreza das palavras, essa postagem foi feita com intenção.  Logo, de alguma maneira, deve sensibilizar o leitor.
O poder realizador da intenção é sutil e avassalador.
Vale a pena dedicar algum tempo para pensar no assunto.

domingo, novembro 28, 2010

Maria da Luz

Se você passar por São Sebastião, não deixe de visitar o Restaurante Maria da Luz, na ponta da praia do centro da cidade.
A casa é de nossos amigos, Udi (blogueira) e Tuca, um casal delicioso que merece a recomendação só por isso.
Mas o Tuca é um excelente mestre cuca ...
A comida é muito bem preparada (comemos uns "porquinhos" fritos deliciosos) e o preço poderia ser bem mais alto, pela qualidade e pelo charme do local.
Dizendo que são amigos do Flavio ainda vão ganhar uns caramelos na saida ...

sexta-feira, novembro 26, 2010

Aprendendo com o vovô e a vovó ...

Vovó:

1. Se não pode falar bem, não fale nada
2. Em briga de marido e mulher, não se mete a colher
3. Em casa que falta pão, todo mundo briga e ninguém tem razão

Vovô:

1. Melhor ser rico e com saúde do que pobre e doente
2. Água de morro abaixo, fogo de morro acima e mulher quando quer dar, ninguém segura
3. Tudo tem explicação, mas a mais difícil é a do batom na cueca

Poema de fim de noite

....................
............
...................

quinta-feira, novembro 25, 2010

Voo diurno


Voo diurno é sempre mais longo.  Ou pelo menos a sensação é essa.
O tempo demora mais para passar, a comida parece pior, o filme mais chato e as pessoas em volta não param de falar.
Nas poltronas atrás de mim, dois homens conversando.
Um deles com forte sotaque do interior de São Paulo, com “erres” vibrantes.  Aparentemente, gerente de vendas de uma empresa de produtos técnicos.  Ideias e opiniões definitivas sobre tudo, que expressa em voz alta, convicto de que todos os passageiros estão mais do que interessados em conhecer detalhes de sua vida, particularmente seu vizinho de poltrona.
O vizinho (melhor seria dizer, a vítima), de menor porte físico e mais contido. Provavelmente da zona norte da capital, imaginei, pelo jeito de falar e pela maneira educada de concordar.
Tenho que confessar que os moços eram entusiasmados.  Conversaram ininterruptamente durante as quase 7 horas de voo.
- Dá para acreditar num negócio desses ? – disse o cara do interior, quase gritando.
- Como assim ? – perguntou o outro, buscando um pouco mais de informação para poder concordar.
- Essa crise ... todo mundo quebrou.  E os caras não viram isso.  Não tinham previsão ?  Como é que pode ?
- Que caras ?
- Os caras que tinham que ver isso, pô ... como é que não viram ?
O outro parecia não estar convencido de que existiam pessoas com esse tipo de tarefa no mundo e concordou, timidamente.
- Hum, hum ...
- E o Obama, então ?
- Ô ...
- Muito tímido ... não dá para ser presidente assim.
- Tímido ?
- É ... está perdendo o apoio do congresso por causa disso ... é, desculpe a palavra,  foda.
- Isso é ...
- E o impacto disso então ?  Os Estados Unidos sustentam o mundo ... são 300 milhões de pessoas ... sabe lá o que é isso, véio ?  Porque a China não briga com os Estados Unidos ?  Porque são 300 milhões de pessoas que consomem ...
- Pois é ... 300 milhões.
-Já o Brasil tem outra dinâmica.
- Ah ... isso tem ...
- E não dá para mudar isso assim fácil .
- É, não dá mesmo...
- Tem que aprender a mudar as coisas ... piedade é você tirar a comida da boca do teu filho ... do teu filho, entende ? ... para dar para o outro...
- Pô ... difícil um cara na tua posição pensar assim ... vamos falar ...bacana.  Numa posição importante, casado, com filhos ...
- Não tenho filhos ... tenho um cachorro ... mas para quem não tem filho, o cachorro acaba ficando um filho, véio ...
- Hu-hum ...
- Você entende mesmo ?  Sabe como é ?  ... Num tem amor como o amor de cachorro ...
- É bacana mesmo ...
- Você pode perder tudo ... dinheiro, casa .... tudo ...e ele continua junto com você do mesmo jeito !
- É .... ali, com você ... Gato não é igual.... - o rapaz da zona norte tentou emitir uma opinião própria.
- É sim ... quem não tem gato é que pensa que não é igual ... Mas é igual sim ... até mais ... você tem gato ?
- Não, mas já tive ... é igual mas é diferente ...
- É igual, véio, a mesma coisa ...
- Você tem gato ?
- Não, mas gosto muito ... tenho um amigo que tem ... leva para passear que nem cachorro.
- Não diga ?
- Até na praia ... fica dividindo o milho com o gato ...
- Gato come milho ?
- O dele come ... milho é uma coisa fantástica ... ninguém sabe de onde veio ...
- O milho ?
- É ... vê a história ... uma hora apareceu o milho e ninguém sabe como ...
- Não sabia ...
- Ninguém sabe direito ... mas também tem coisa que ninguém conta ...
- Isso é ...
- Sabe o chopp escuro ?
- Sei .. aquele escuro ...
- Então, as vezes você vai no bar e não tem chopp  escuro, né ?
- Ia falar nisso mesmo ...
- Pois é, véio ... mas aí você toma chopp escuro mesmo assim ?
- Tomo ?
- Toma ... os caras dão um pó para o dono do bar misturar no chopp claro se acabar o chopp escuro ... aí você pensa que está tomando chopp escuro ... mas é o claro com o tal do pó ...
- Safadeza ...
- Pior é o que fazem com o whisky ... mas nem te conto.
- ô ... eu fui uma vez ... lá onde fabricam a Ypioca ... tem um lugar lá cheio de teia de aranha com umas garrafas que estão lá há mais de 60 anos ... e você perde mais de 2% do conteúdo por ano ...
......
(se alguém quiser que eu continue, é só avisar ... tenho 6 horas de registro)

quarta-feira, novembro 24, 2010

Para todos os gostos ...

Parece que a última postagem não foi muito popular ...
Mas a internet é assim, a gente pode postar qualquer coisa mesmo.
No extremo oposto sugiro a leitura da postagem da Paty Michele sobre a Cibercultura.
Minha postagem anterior, o comentário da Paty na postagem e a sua postagem sobre Cibercultura formam um quadro interessante sob muitos aspectos.
Como estou trabalhando e fora do Brasil no momento não vou ter tempo de fazer uma postagem ciber-metafórico-filosófica sobre o tema, mas pelo que conheço dos leitores do Arguta acho que não vou precisar ...
Beijos portoriquenhos ...

terça-feira, novembro 23, 2010

Na casa do Pedrinho

Essa é da Juliana, postada no facebook: "Vou na casa do Pedrinho é mais bonitinho do que "fazer o número 2".
É por isso que sou fã de propaganda bem feita ...
E falando nisso, vale a pena dar uma lida na postagem do Carlos lá no Vestiário Masculino, justamente sobre propaganda para mulheres (para quem ainda não leu).

domingo, novembro 21, 2010

Ser Humano

Sempre achei que o que verdadeiramente nos distancia dos outros animais é a capacidade de ir ao dentista.
Imagine-se convencendo um tigre a deitar numa cadeira de dentista para uma limpeza de dentes, pensando no seu prórpio bem futuro.
Ser humano é ter a capacidade de pensar no futuro e agir de forma planejada.
Aparentemente, essa é uma característica que desenvolvemos com o passar do tempo.
Bebes humanos se comportam de maneira semelhante aos demais animais, buscando a satisfação de suas necessidades imediatas e aproveitando o momento quando nada o incomoda.
Na medida em que vamos crescendo passamos a pensar no momento seguinte.
No começo, preocupamo-nos com coisas simples como "do que vamos brincar depois do almoço" ou "o que teremos para o jantar".  Só muito mais tarde é que somos capazes de perceber as vantagens de um plano de previdência privada.
É essa caractarística que nos permite suportar coisas desagradáveis no presente com vistas para um bem maior no futuro.  Trabalhar o ano todo para ganhar uma bonificação no início do ano seguinte é um bom exemplo.
Pensar em construir uma casa, plantar e fazer conservas (geléias e pickles) é o que garante nossa sobrevivência e resulta no progresso da civilização.
O risco é desenvolvermos tanto essa característica a ponto de deixarmos de viver o presente, de fazer como os outros animais ou nós mesmos na infância:  cuidar das necessidades imediatas e aproveitar o momento.
Cuidar do futuro é bom, desde que isso não signifique adiar permanentemente a felicidade.

sábado, novembro 20, 2010

Sobre o amor

Deu vontade de falar sobre o amor antes de dormir...
A quantidade de definições para o amor só é superada pela quantidade de reclamações.
Passeando pelos blogs, conversando com amigos, lendo, vendo TV,  tenho a impressão de que o amor nunca é como as pessoas esperam que seja.
É impressionante como uma das melhores coisas da vida pode ser tão geradora de frustrações.
Eu acho que antes de aprender a ler e escrever, a fazer contas e classificar plantas e animais, a gente deveria ter a oportunidade de aprender a amar.
Não estou certo de que é possível ensinar a amar.  Mas observo que é bastante comum atrapalhar o aprendizado.
Os pais, desde cedo, deixam claro para seus filhos que existem condições básicas para que eles sejam amados. Em 3 palavras: "corresponder às expectativas".  Para ser amado pelos pais o filho precisa "ser" de uma determinada maneira.  E o pior é que essa condição é imposta antes de que a criança tenha consciência de si mesma.
Me parece que seria melhor ajudar a criança a se conhecer e se aceitar.  Aproveitar para conhecer a criança durante o processo.  Pais não querem conhecer seus filhos.  Querem que eles atendam suas expectativas.
Sou pai.  E tenho que admitir que errei. Só descobri que isso era importante quando já era tarde demais.
Creio que é por isso que os avós são tão mais flexíveis com os netos.  Querem conhecer e, portanto, permitem que eles sejam o que são.
Conhecer-se e aceitar-se são condições essenciais para desenvolver o amor por sí mesmo.
E amar-se é a primeira condição para poder amar outra pessoa.
Amar alguém começa por conhecer e aceitar essa pessoa.
Se o seu amor próprio é condicional, o amor pelo outro também será.
Se você se obriga a ser diferente do que é, vai exigir isso do outro também.
E é aí que começa a frustração.
O encontro de duas pessoas que não se amam, tentando amar um ao outro.  Não tem como dar certo.
É por isso que costumo dizer que o amor moderno é o encontro de neuroses complementares.  Funciona razoavelmente bem quando as disfunções não colidem.
A orientação religiosa também não ajuda.  Na maioria das vezes os ensinamentos são conflitivos.
Ame Deus acima de todas as coisas. Seja temente a Deus. Dê a outra face. Ame o próximo como a ti mesmo. Seja caridoso (pense primeiro no outro).  Seu corpo é a morada do senhor; cuide bem dele. Evite os desejos carnais. Faça jejum. Flagele-se.  Bem aventurados os pobres, os aflitos, os que choram, porque deles será o reino dos céus. Você espera que Deus te ame, então siga os mandamentos.
Eu tenho comigo que se existe um Deus pai ele deve ser capaz de ser um pai melhor do que eu fui.
Se antes dos 50 anos descobri que amar começa por conhecer e aceitar, um Deus Pai jâ deve saber disso e vai me amar com todos os meus pecados.
Mas, lamentavelmente, nossos pais nos ensinam que o amor é condicional.  A igreja ensina que o amor de Deus é condicional.  Como podemos aprender a amar de outra forma ?
Por um momento, vamos esquecer de nossos pais e de Deus.  Ou, se a segunda tarefa for difícil para você, pelo menos ignore as palavras dos intermediârios.
Dedique um tempo de sua vida para se conhecer e aceitar o que descobrir de coração aberto.  Aprenda a gostar de você, com tudo aquilo que considere defeito ou qualidade.  Mais para frente, esforçando-se um pouco mais, vai deixar de rotular suas carecterísticas como boas ou más.    Você não é nem bom nem mau.  É apenas você, a pessoa mais importante da sua vida.
Aproveite para se perguntar o que tem feito pela pessoa mais importante de sua vida (não esqueça, estamos falando de você mesmo).  Tem se respeitado ?  Se tratado bem ?
Comece devagar, cuidando de você mesmo.  Colocando-se em primeiro lugar.  Aos poucos, você vai aprender a gostar de você.  E quando se der conta, vai estar se amando, do jeito que é, sem precisar se exigir ser diferente.
Aí você vai estar em condições de tentar isso com outra pessoa.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Para te conhecer melhor ....

Não é uma história de lôbo mau.... ou talvez seja, quem sabe ?
Acho que foi Pearls que definiu caráter como um conjunto de respostas conhecidas para situações determinadas (ou algo assim).  Para ele, segundo entendi quando lí há uns 30 anos, isso era um indicador de rigidez.
De qualquer forma, conhecer-me parece uma coisa importante.  O reverso do enigma da esfínge grega: "decifra-te ou devora-me".
De uns tempos para cá percebi a utilidade de fazer coisas diferentes.
Situações novas não podem ser enfrentadas "no piloto automático".  Fazem pensar, provocam emoções e pensamentos incomuns.
Excelente oportunidade para o auto-conhecimento.
Fiz um curso de teatro, aprendi mergulho autônomo, pulei de para-quedas, estou aprendendo massagem tântrica ...
Mas também estou me propondo desafios mais simples como conviver com um mouse "touchpad" surtado que inverte a leitura do movimento do dedo (quando passo o dedo para esquerda o mouse vai para direita), responder de forma diferente a situações convencionais, questionar algumas de minhas pequenas verdades ...
O resultado é surpreendente.  Aprendi mais sobre mim nos últimos 5 anos do que nos 46 anteriores, porque tive a chance de reavaliar a auto-imagem que havia construído ao longo da vida.
Está certo que no meio do caminho teve um psicanalista, teve um psicanalista no meio do caminho.
Tropeçar também é um convite para prestar atenção no caminho.

quarta-feira, novembro 17, 2010

Fim do ano

Pois é ... o fim do ano já está aí ... Natal, Reveillon, Ano Novo ... festas familiares, férias ...
Nos próximos 45 dias o IEC (Índice de Estresse Coletivo) vai atingir seu pico.
O curioso é que estarão presentes todas as condições para acontecer o contrário.
O rítmo de trabalho tende a diminuir, vamos encontrar as pessoas queridas para celebrar, estaremos em férias por alguns dias, será início de verão.  Tudo de bom ...
O problema é a neurose,
No trabalho, ninguém quer deixar nada pendente para o ano seguinte.  A perspectiva de encontrar toda a família é prontamente associada aos assuntos não resolvidos e com forte carga emocional.  A obrigação de se divertir ou fazer alguma coisa diferente e interessante acaba trazendo tensão e frustração para as férias e o calor vai ser infernal.
Acho que, começando agora, dá para se propor uma mudança de atitude para esse final de ano.
Essa é a proposta da minha nova O.N.E. "Novo Ano Novo" pelo edonismo de resultados abaixo da linha do equador.
Participe !

terça-feira, novembro 16, 2010

Poemeu pseudo-cibernétco


Solilóquios convergentes
na blogsfera:
Quimera ?
Relações diferentes ...
Alguns à espera,
outros ausentes.



(imagem Stockphotos)

Aproveite o dia

Faça sol ou caia água
Desejos a todos
Uma semana sem mágoa

domingo, novembro 14, 2010

Condição determinante

Nada de ouro ou diamente
A felicidade, meus caros
É a condição determinante
O peito do amante
feito de anteparo
(vejo em teus olhos claros)
é o que te deixa radiante

quinta-feira, novembro 11, 2010

Pensamento da noite

.. estou indo de vento em proa ...

Diante do novo

Terminei a noite observando a reação de um amigo diante de duas experiências novas.
Observar o outro sempre nos dá a chance de aprender sobre si mesmo.
Incredulidade (negação), tentativa de voltar ao velho/conhecido (negociação), medo do desconhecido (inconformismo) e, com um pouco de sorte, vivência (aceitação) parece ser o padrão típico de reação de todos a coisas novas e impactantes.
São raras as vezes em que estamos abertos e desapegados o suficiente para "ver no que vai dar", queimando as etapas iniciais.
Mas se estamos conscientes do processo, fica mais fácil identificar nossos mecanismos de defesa e superar mais rapidamente as barreiras para a aceitação e, consequentemente, a vivência plena do novo.
Registro feito ... vou dormir.

quarta-feira, novembro 10, 2010

Dormir faz falta

E o gafanhoto perguntou ao mestre:
- Mestre, porque quando a gente não dorme o suficiente, fica de mal humor ?
O mestre deu um profundo e relaxado suspiro, olhou para o céu onde uma pomba branca passava e pensou:
- Depois da noite de merda que eu tive, só falta essa pomba me cagar na cabeça ...
Mas, enfim, respondeu:
- Porque a mente precisa de descanso, gafanhoto ... Porque você não vai até a beira daquele precipício meditar um pouco enquanto comungo com o universo ?

terça-feira, novembro 09, 2010

No terceiro encontro

O Luiz, lá no Vestiário Masculino, decidiu que não vai mais para cama com uma mulher no primeiro encontro.
Vale a pena conferir ...

segunda-feira, novembro 08, 2010

PsyKick no Manifesto tocando Beatles


video


O show da PsyKick no Manifesto hoje foi perfeito.  A banda ficou em terceiro lugar (entre as 50 participantes) e foi a que ganhou mais prêmios individuais.
O filhão arrasou no palco.
Trouxe uma palhinha para vocês.  A gravação não está lá essas coisas, porque a câmera e o operador são amadores, mas dá para ter uma idéia da qualidade da banda.
O papai aqui vai dormir orgulhoso ...

domingo, novembro 07, 2010

Reclamando do domingo ?


Final de domingo chato ?  Nada para fazer?  Síndrome do Faustão ?
Bem ... você decide !  Se não quiser ficar em casa, sugiro um programa exótico: assistir à final do "Manifesto Rock Fest" com a banda do Rodrigo (meu filho), Psy Kick, que passou nas duas eliminatórias e disputará essa final.
Chamei de programa exótico porque acredito que a maioria dos frequentadores do Arguta não costuma participar de festivais de Rock ou ouvir bandas de rock "industrial" (rock pesado, voz, grutural, batida forte e metálica).
Mas como bem disse a Nina lá no Deveras Paixão, há que se perder as virginidades ...
O Festival começa as 18h00, razoavelmente no horário e a banda do Rodrigo é a primeira (logo, é bom chegar uns 15 minutos antes).  Ingressos podem ser adquiridos na porta (acho que custam uns R$ 15).
Estarei lá ....

Manifesto Bar
Rua Iguatemi, 36 - Itaim Bibi
São Paulo, 01451-010
Fone: 3168-9595

sábado, novembro 06, 2010

Tropa de Elite 2 - Missão Cuprida

Estou longe de ser um especialista, mas fiquei orgulhoso do cinema brasileiro.
Tropa de Elite 2 fugiu da tradição das sequências e não repetiu a fórmula do primeiro filme.  Também não se aproveitou do nome para rotular um filme diferente.
É, verdadeiramente, uma continuação, mas mostrando outros aspectos de uma mesma problemática, avisando desde o início: desta vez, o inimigo é outro.
O roteiro não é melhor nem pior do que o primeiro, é diferente e tão bom quanto.  A produção dá a impressão de ser mais simples, mas de qualidade equivalente.  A direção de atores, impecável.  Acho que até melhor do que no primeiro.
O filme entusiasma menos a platéia porque é mais denso e tem menos ação.  É mais "inteligente".
Os dois filmes são sedutores o que me parece essencial para quem quer ser assistido.
Acho que foi por isso que ninguém pediu para sair.

sexta-feira, novembro 05, 2010

Pensamento de cão

Perseguimos as gatas, comemos as galinhas mas gostamos mesmo é das cachorras ...

Ficção ou Realidade

Dos tempos em que era sócio de uma agência de propaganda, guardo na memória algumas longas discussões que tive com jornalistas sobre sua visão crítica e negativa da publicidade.
Comum a acusação de que anuncios e comerciais visam enganar o consumidor, criar necessidades e forçar a compra de produtos.
Passou o tempo e, mesmo havendo me distanciado da atividade de forma direta, sigo seu defensor.
A boa propaganda não engana o consumidor porque, como diria minha avó, a mentira tem pernas curtas.
Criar necessidades é, convenhamos, muito mais difícil (e, portanto, mais caro) do que conhecer e atender as necessidades já existentes.
E, obviamente, ninguém pode ser "forçado" a comprar um produto, a não ser pelo governo.
Além disso, no final das contas, a esmagadora maioria das "propagandas" é explicita, ou seja, o consumidor sabe que está sendo impactado por uma mensagem de alguém que quer lhe vender um produto e pode se defender do discurso.
Já quando um jornalista decide vender uma idéia, não costuma avisar antes.
A imprensa brasileira evoluiu bastante nos últimos anos.  O caso da "Escola Base", em 1994, foi um divisor de águas importante e levou toda a mídia a repensar sua atividade jornalistica e suas responsabilidades.
Entretanto, em anos de eleição a parcialidade velada de alguns veículos é escancarada, deixando claro que ainda temos muito para conquistar.
É fato que a "verdade" não pode ser retratada, por maior que seja o esforço do jornalista.  Os fatos serão sempre parciais e passíveis de interpretações distintas.  A bagagem educacional e cultural do jornalista sempre o levará, inexoravelmente, a ser tendencioso.  Ai não há mal nem pecado.
O pecado, quando acontece, está na falta de transparência das intenções.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Asas e pés

"Não adianta dar asas a imaginação se não estamos dispostos a caminhar com os próprios pés."

(FFQ - Filosofia de fundo de quintal)

terça-feira, novembro 02, 2010

O.N.E.

Depois das ONGs, a moda agora sãos as ONEs, Organização Não Existente.
As ONEs tem grande vantagem sobre as demais organizações.  Não precisam cumprir qualquer missão ou prestar contas do dinheiro recebido.  Não podem ser acusadas de nada, não comprometem ninguém e não podem ser rastreadas.
Ainda assim, desde que se escolha um nome pomposo, podem conferir prestígio ao idealizador.
Uma ONE é o equivalente moderno de um Comitê.  Podemos transferir responsabilidades para ela da mesma maneira como faziamos com os antigos comitês, mas com a vantagem de que ela não precisa ser dissolvida depois.
As melhores ONEs são aquelas dedicadas a temas relevantes e sobre os quais não se pode fazer nada.
Uma ONE pelo fim da Inversão Térmica é um bom exemplo.  Como todos sabem, a inverão térmica é um fenômeno climático que atrapalha a dispersão dos poluentes nas grandes cidades, causando diversos males para a população.  Digna de preocupação, portanto, e vale uma ONE. 
Outra possibilidade interessante é criar uma ONE para temas insoluveis.  Uma ONE para acabar com a Fome é o caso clássico.  Você acaba com a fome pela manhã e à tarde ela já estará de volta.  Como não dá para distinguir a fome matinal da vespertina, não há necessidade de fazer nada também.
Use sua imaginação e fique a vontade para criar sua própria ONE.

segunda-feira, novembro 01, 2010

Furia de Titãs

Acabo de assistir Fura de Titãs, que conta a história de Perseu, o mitológico herói grego, filho bastardo de Zeus, o maior deus grego e criador do homem.
Quem acompanha o Arguta sabe de minha predileção pelo politeísmo à grega, ou seja, com um deus para cada um dos desejos, capacidades e necessidades humanas.
Na história, Perseu, um semi-deus, resolve enfrentar Hades (o deus da terra dos mortos) para salvar a cidade de Argos (hoje Athenas) da destruição e sua princesa Andrômeda da morte.
Tudo gira em torno da tentativa dos homens de libertação dos caprichos dos deuses.
Duas coisas muito interessantes neste mito ... o fato de que o poder dos deuses depende da fé (adoração ou temor) dos mortais e a decisão de Perseu de enfrentar seus desafios como mortal e sem utilizar suas "regalias" de semi-deus.
O primeiro ponto explica porque é que os deuses gregos não existem mais.  Até os próprios gregos decidiram transferir sua fé para um outro deus, único.
Vale comentar que a vocação politeística de parte da humanindade fez com que algumas de suas igrejas adotassem outras referências para adoração (como os santos, na igreja católica) para atender essa demanda.
O segundo ponto, a insistência de Perseu em lutar como mortal, instiga interessantes pensamentos sobre assumir a responsabilidade sobre seu próprio destino, ao invés de deixá-la na mão dos deuses.
Gostei muito do filme e recomendo.

quinta-feira, outubro 28, 2010

Vaidade masculina

Nos últimos anos, a mídia e alguns estudiosos vem falando sobre o surgimento da vaidade masculina, como se fosse algo realmente novo.
Basta dar uma passeadinha pelo velho mundo para identificar que a vaidade masculina é um fato histórico.
Das pirâmides do Egito e das muralhas da China, passando por algumas dezenas de Arcos do Trinufoe palácios, até, mais recentemente, os hotéis do mundo árabe, o homem vem encontrando imponentes maneiras de exercer sua vaidade, muito mais extravagates do que um armário cheio de sapatos ....

quarta-feira, outubro 27, 2010

Paisagens de sonho

Embora esteja na França no momento, não pude deixar de me encantar por essa foto publicada pelo UOL.  A foto de Lee Rudland mostra o Castelo de Bamburgh, em Northumberland, surgindo por entre as nuvens, e participou de um concurso de fotos criativas de paisagens daquele país.
Imagens como essa dão lindas fotografias.  Mas são muito mais marcantes quando observadas ao vivo.
Lembro-me de quando estive no Vale de los Caidos na Espanha pela primeira vez.  A visão do vale, do topo do monumento (túmulo de Franco), é de um impacto colossal.  Sentei-me para observar e fiquei mudo por vários minutos.  Sabe aquele espressão "calar a alma" ?  Pois foi isso que aconteceu.
Imagino como me sentiria no lugar do Lee Rudland, observando essa imagem da foto.  Provavelmente não me lembraria sequer de tirar uma foto ...

terça-feira, outubro 26, 2010

segunda-feira, outubro 25, 2010

Aceitação

Uma das coisas mais difíceis do nosso cotidiano é aceitar as coisas que não gostamos ou com as quais não concordamos.
Há pessoas que ficam anos remoendo "injustiças" e que acabam justificando todos os seus problemas a partir delas.
A oração de São Francisco é uma sítese da melhor atitude diante das adversidades da vida:
"Concedei-nos Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, a coragem para modificar aquelas que podemos e a sabedoria para distinguirmos umas das outras".
Simples de dizer, mas tão dificil de fazer que até São Francisco teve que pedir ajuda para seu Deus...
Mas esse tipo de coisa não costuma cair do céu. 

domingo, outubro 24, 2010

O Guardião e o Sacerdote

Vou me apropriando aqui e alí das coisas que leio e escuto,  confrontando-as com minhas experiências, sentimentos e sensações.  Daí vem as idéias para escrever.  Por isso não me incomodo quando alguém copia algum texto do Arguta ... Nada aqui é verdadeiramente só meu, ou mesmo real.
Minhas últimas leituras foram textos de Osho e de psicanálise, tratando de estruturas do corpo e da mente.
Gostei da idéia de que nosso corpo busca maneiras de se comunicar com a mente, para informar o que está acontecendo de bom e de ruim.  E, particularmente, para se preservar.  É como se o corpo tivesse uma espécie de Guardião, permanentemente atento e cuidador.
Já a mente, entre suas diversas estruturas tem uma muito crítica, sempre pronta para nos dizer o que estamos fazendo de errado e exigir que nos portemos de maneira espartana.  É uma espécie de Sacerdote interno, que procura nos orientar e disciplinar nossa conduta.
O Guardião e o Sacerdote nos são muito úteis e evitam que nos metamos em muitas encrencas, sociais, físicas ou psicológicas.
Mas também fazem muita confusão, principalmente quando atuam juntos de forma pouco coordenada.
Um exemplo:  uma mulher casada tem fortes desejos sexuais por outros homens.  O Sacerdote, obviamente, a condena mortalmente.  O dilema psíquico afeta o corpo, gerando tensão, ansiedade e outros quetais.  O Guardião percebe o que está ocorrendo e promove mudanças no corpo para tentar resolver o problema.  A mulher começa a engordar muito, ou fica com problemas na pele, ou desenvolve algum problema vaginal recorrente ... qualquer coisa que a torne menos atraente ou menos inclinada a dar atenção aos seus desejos.
Ou, no caminho contrário, um homem começa a se tornar adicto por exercícios físicos, viciado nas descargas de serotonina liberadas durante suas longas corridas, a tal ponto de começar a desgastar seu organismo, sobrecarregando-o.  O Guardião dá o alarme e o Sacerdote tenta apontar seu dedo acusador, mas como a sociedade valoriza o culto ao corpo e correr é apontado como uma excelente atividade física, sua ação tem pouco efeito.  Mas o sacerdote insiste e, com o tempo, o homem começa a ter sensações estranhas durante a corrida, até desenvolver uma "agorafobia" (medo de lugares abertos, de multidões, de ambientes externos) que o obriga a parar de correr.
São dois exemplos de falta de equilíbrio nas relações entre o corpo e a mente, decorrentes da nossa pouca disposição ou dedicação a escutar-nos e conhecermo-nos.
Há que se escutar ao Guardião e ao Sacerdote, dando-lhes atenção e ajudando-os a corrigir seus desvios bem intencionados mas destrutivos.
E, com um pouco mais de esforço (aliás, muito esforço para os dias de hoje), conciliar essas estruturas até alcançar uma integração tal que o corpo e a mente já não sejam percebidos de maneira dissociada, mas como parte de você mesmo.
Para isso são necessárias muitas horas de meditação ...