Páginas

domingo, dezembro 30, 2007

Antepenúltima reflexão


Onde coloco esse problema ? Em mim ou no outro ?
No outro é mais fácil. Lavo as mãos como Pilatus e me eximo de culpas.
O problema, entretanto, segue incólume já que, não estando em mim, nada posso fazer senão blasfemar esperando que o outro resolva.
A mim, então, o problema e o peso sobre os ombros.
Fosse eu onipotente e a solução emergiria de pronto.
Lástima que não sou.
Bem ... resta-me uma terceira opção: resolver-me.

quinta-feira, dezembro 27, 2007

Util-Futil


Para começar bem o ano, sugiro o USB-Eraser....
Borracha para apagar as lembranças chatas e um pen-drive para armazenar os bons momentos que virão ...

terça-feira, dezembro 25, 2007

Sinais do final dos tempos


Ruas desertas, tingidas de vermelho.
Sistemas de comunicação em colapso.
Pessoas trancadas em suas casas, gritando ou balbuciando palavras desconexas, abraçadas e chorando emocionadas.
Lojas saqueadas. Familias desfazendo-se de seus bens.
Na redação dos jornais, apenas os estagiários. Jornalistas foram os primeiros a fugir.
Bancos fechados, industrias paradas.
Faltam 7 dias para o final dos tempos ...

sábado, dezembro 22, 2007

Quem você é ou o que você faz ?

Morreu o ator Norton Nascimento.
Lí no Estadão de hoje.
Numa nota de meia página, o jornal descreve tudo que ele fez.
Nenhuma linha sobre quem ele era.

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Ninguém ou todo mundo ?

Tem gente que não consegue viver sem a aprovação e constante demonstração de carinho dos outros.
E tem gente que acha que não precisa disso nunca. Imagina que é inútil, que isso não resolveria seus problemas.
Ontem eu estava me sentindo assim.
Tive sorte ...
Conversei com 3 pessoas que que demonstraram amor, gratidão e carinho por mim.
Não resolveu meu problema.
Mas, tenho que admitir ... fez um bem danado ...

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Virtudes Cardeais

Falei dos pecados .. agora vamos às virtudes.
Os cristãos costumam apontar para 4 virtudes maiores chamadas de cardeais:
- Justiça
- Fortaleza
- Prudência
- Temperança
Curioso notar que elas não se contrapõe diretamente aos 7 pecados capitais.
Ou seja, dá para ser um pecador virtuoso ...

domingo, dezembro 16, 2007

Os sete pecados capitais


Gula, Luxúria, Avareza, Ira, Inveja, Vaidade e Preguiça formam a relação atualmente aceita para os 7 piores pecados da humanidade.
Alguns preferem substituir a Inveja pela Soberba. Mas como a soberba é uma espécie de mix entre vaidade e luxúria (no sentido ampliado), melhor ficar com a Inveja.
E aí a Raffa me pergunta: "Qual é o pecado que melhor te define ?"
Perguntinha difícil de responder, não ?

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Marcomemorável

Meus amigos, minhas amigas ...
O Arguta atingirá hoje 20.000 visitas !
Memorável e comemorável ...
Quero agradecer a todos vocês (amigos, leitores frequentes e visitantes esporádicos) pelo presente de final de ano.
E prometo melhorar o conteúdo em 2008.

Entre tapas e beijos

Terminei o curso de teatro amador lá no Indac.
A apresentação do grupo (sugeri batizá-lo de Trupe Truque, em homenagem a uma de nossas professoras, a Adriana, mas não colou ...) foi um arraso.
Todos nós trabalhamos muito para isso, aprendemos muito e nos divertimos bastante.
E nossa Diretora, a Tânia, brindou-nos com grande exemplo de paciência, persistência, dedicação e capacidade motivacional além, é claro, de competência.
Recomendo a experiência para todos.
A gente desenvolve o espírito de equipe, aprende a ouvir o outro, supera limites, questiona conceitos, aprende a confiar mais em si e nos companheiros ...
E se tiver a sorte que eu tive, também conhece pessoas muito bacanas.
Ser ator é mais difícil do que eu pensava. E é mais divertido também.
Entre tapas e beijos, foi uma das experiências mais bacanas que já tive.

quarta-feira, dezembro 12, 2007

Poema energético

Maravilhosa a entalpia
que resplandesce em energia
Não fosse essa tal de entropia
nada mais nos afligiria

domingo, dezembro 09, 2007

Tempo e espaço

Quando em um tempo
Num pequeno átimo
A paz chegar
Abra espaço para ela ficar
E acomode o resto
Cada coisa no seu lugar

sábado, dezembro 08, 2007

Sexo e mulher pelada levantam a audiência ?

Resolvi seguir a sugestão do AVZ (Vidiz) e colocar sexo no tíulo.
Depois eu conto no que deu ...

quinta-feira, dezembro 06, 2007

Elogio e Inspiração

Um elogio sincero inspira o que há de melhor nas pessoas.
Talvez seja a forma mais simples de praticar uma ação que faz diferença.
Pena que seja tão difícil. Saber elogiar é um dom.
Para fazer um elogio sincero, você precisa estar acostumado a ser sincero.
Além disso, tem que estar bem com você mesmo.
E, por último, precisa acertar na escolha das palavras.
Do outro lado, quem recebe o elogio tem que ser capaz de aceitá-lo e acreditar que pode ser verdadeiro.
Mas esse é um problema de quem recebe. Não podemos controlar. Mesmo que a pessoa não vá acreditar no seu elogio, vale a pena fazer. Quem sabe, com o tempo, a pessoa passa a acreditar em si mesma.
Resolvi fazer esse post porque me dei conta de que tenho dificuldades para elogiar.
Sou muito crítico e meus elogios são, muitas vezes, incompletos. Quando isso acontece, tem o efeito contrário. Não inspiram, desmotivam.
O pior é que quase nunca me dou conta disso. Só quando me dizem.
Deve ser difícil para quem convive comigo.
Deve ter sido difícil para meus filhos (como comentou o Alexandre no post anterior).
Mas sempre é tempo para aprender, não é ?

terça-feira, dezembro 04, 2007

Entra ano, sai ano ..

E as pessoas continuam as mesmas...
Esperando que você seja quem não é, transferindo seus problemas para você, cobrando o que você não deve, explicano porque você está errado, te dando lições de moral e bons costumes e estabelecedo as condições para o relacionamento.
E essas são as que gostam de você.
Ok ... dá para conviver com isso.
Mas é bom saber que existem algumas poucas exceções.

domingo, dezembro 02, 2007

Tropa Deleite






I'm back ... Para o bem e para o mal ...
Fiquei alguns dias ausente porque estava participando do treinamento da tropa do IBOPE.
Com muito orgulho posso dizer que a turma que trabalha nessa empresa é de elite, em todas as posições. Bem selecionados, bem treinados e justamente remunerados. Convivendo num exepcional clima de trabalho. Pouca gente deixa o grupo, alguns voltam e os segume outro rumo sentem saudades (estão sempre nos visitando).
Esse treinamento foi do grupo diretivo da área internacional, com a participação especial da diretoria da unidade brasileira. Mas do que "de elite", uma tropa-deleite.
Um daqueles poucos grupos dos quais podemos nos sentir honrados de fazer parte.
Três dias de trabalho pesado, mas muito gostosos. E, felizmente, bastante produtivos.
A única coisa chata é que não pude acessar a internet durante o treinamento. Fiquei longe dos bloguenígenas ... Saudades !
Mas, de volta à aldeia, registro um penamento inspirado pela experiência:

"O custo emocional de evitar um conflito pode ser maior e mais nefasto do que o de enfrentá-lo."

Não é poético, não é engraçado ... mas é bastante útil.

Beijos.

terça-feira, novembro 27, 2007

Pensamento da noite ...


A realidade
é um lindo por do sol
um momento de verdade
entre desejos e frustrações

Blogando bobagens

Dia duro
termina tranquilo
Corpo cansado
mente maltratada
alma amena
Durmo decidido
pronto para próxima
Despertarei descansado
Vale viver

sábado, novembro 24, 2007

Desequilíbrio galopante

Anne falou do sódio lá no Life..Living.
Inspirou-me a comentar o óbvio: nossa espécie sofre de desequilíbrio galopante altamente contagioso.
O Rodrigo diria "fodemos o mundo como a nós mesmos".
Eu, que sou mais light, prefiro afirmar que "inconformados com as limitações de nossas condições naturais buscamos alternativas para superá-las, afetando o equilíbrio sistêmico".
Fato é que o que chamamos de equilíbrio é um processo dinâmico.
Os movimentos reativos às nossas ações sobre nós memos e o mundo são uma resposta a nossas interferências em busca de um novo ponto de equilíbrio.
Como as interferências são muitas e constates, o dinamismo do processo assusta.
E vai ficando pior, porque tentamos consertar, interferindo mais.
Há que assumir: o futuro não é mais como antigamente, e não será.
Somos mais de 6 bilhões de humanos em todo o planeta, quando 600 mil seria um número bem mais razoável.
Qualquer solução sistêmica séria em busca do equilíbrio planetário implicaria em uma drástica redução da população (se não como ato, como consequencia).
Basta ver que, se não fizermos nada, isso acontecerá "naturalmente".
Claro que, como fica difícil aceitar isso, buscamos sustentar o desequilíbrio.
E, sem fazer juízo de valor, acho que vamos conseguir por muitos anos, talvez séculos.
Enquanto isso, podemos nos distrair trazendo o conceito para nosso mundo particular, e matar o tempo analisando nossos desequilíbrios sustentáveis.


Mensagem de Natal dos Simpsons, com Feng Shui para Britney Spears

Boas e más notícias...
A boa é que o Arguta bateu seu recorde de visitas e quebrou a barreira dos 3 dígitos anteontem: 103 visitas no dia..
Considerando que é um crescimento consistente, não uma efeméride, posso dividir minha felicidade com os leitores.
Não sou um artista da escrita, lato senso. Não escrevo só para mim. Gosto de receber visitas para um café pseudo-literário.
Sinto-me, portanto, realizado com o andar da carruagem.
E devo isso a vocês, amigos e leitores.
A má notícia é que boa parte do acréscimo se deu por leitores eventuais que chegam ao Arguta por meio, pricipalmente, do Google. Não pela "qualidade" dos escritos, mas em função de alguns temas que abordei ao longo do tempo. Natal, mensagem de final de ano, papai noel tropical, frutas exóticas brasileiras e outras quetais, alavancaram a audiência esporádica.
Daí, não resisti e estou fazendo essa postagem com um título "teste", usando palavras de alta popularidade no buscador.
Desde já, peço desculpas aos internautas que vão chegar a essa postagem "enganados".
Mas, por favor, entendam.... é para o bem da ciência ...

quinta-feira, novembro 22, 2007

Dilemas da TV Aberta

Compartilho com vocês o vídeo-mosáico que acabo de editar a partir de depoimentos baixados do You Tube.
Vou apresentá-lo em um congresso para executivos de TV Aberta nesse final de semana lá em Punta.
video

Caso curioso

Enquanto espero o computador processar um vídeo que estou preparando para (mais) um congresso, resolvi dar uma espiadinha nos comentários recentes do Arguta.
Caso curioso ... comentários rarearam ... número de visitas aumentou.
Fui buscar alguma explicação nos dados do Site Meter.
A maioria das visitas dos últimos dias não foi de visitantes frequentes. Os leitores chegaram via Google.
A busca capeã foi "mensagem de final de ano". O Google direciona para um post que fiz à respeito no final de 2005.
"Frutas exóticas brasileiras" é uma busca recorrente, e remete a uma postagem sobre a Maracutáia, que fiz em Abril de 2006.
E várias pessoas buscaram simplesmente "arguta", o que deve significar alguma coisa, mas não sei o quê seria.

terça-feira, novembro 20, 2007

domingo, novembro 18, 2007

Pensei nas pétalas

Perfume, força e delicadeza
Pétalas que acolhem
Com generosa beleza
Um amor indiferente
Onde o nome não importa
Nem o que virá pela frente
Basta a troca, o momento presente

sábado, novembro 17, 2007

Making off dos posts

(cenas: making off da postagem "Fazer o quê ?")


Para evitar que alguns amigos fiquem mais preocupados do que deveriam com postagens como a de ontem, achei que valeria a pena falar um pouco sobre meu processo de postagem.
Uma frase do Rodrigo, que já repeti inúmeras vezes, sintetiza a questão: "Tá no papel, é ficção.".
As postagens que faço no Arguta, no Prozac ou no Writing for Fun são quase sempre baseadas em fatos "reais" (experiências, sentimentos), vividos ou observados por mim.
Esses fatos estimulam idéias que ganham vida própria e se transformam em posts.
O de ontem (Rufar do Rufião) aconteceu assim ...
Ludovico (meu neurônio lúdico) estava relaxado no sofá, com o olhar perdido em curvas e convergências, digerindo um delicioso salmão com crosta de pistache acompanhado de arroz perfumado de wasabi (dissolvido em saquê) salpicado com kummel, preparado por ele memo.
Nicodemo (o neurônio rabugento) rebelou-se com tamanha languidez e armou-se da razão para atacar o pobre Ludo.
Sandy, a neurônia mãe, partiu em defesa de Ludo, respaldada pelas pulsões do inconsciente (naturalmente feminino).
Ludo, obviamente assustou-se.
N2 e N4 (os neurônios pares - ainda não devidamente apresentados), aproveitaram a oportunidade para traduzir a situação num post e, de quebra, desvendar em parte uma das 57 imagens da parede da minha sala.
E a noite terminou segundo estritas recomendações do Jorge Lemos.


Rufar do Rufião

A tout le monde
A tout mes amis
Je vous aime
Je dois partir
(Megadeth)


Feito refém
Da batalha final
Entre a pulsão e a razão
Ao som do metal
Digo amém

Lágrimas contornam
dos lábios o tênue sorriso
Toma-me de assalto a ansiedade
enquanto busco d'onde amerisso
guerreiros manobram

Então me despeço
Embora não saiba se vou
Daqueles que foram importantes
Para compor aquilo que sou
Nada mais peço

sexta-feira, novembro 16, 2007

Fazer o quê ?

Repentinamente, sem qualquer explicação, você se encontra trancado com um grupo de amigos por uma hora numa quadra de volley e recebe uma bola de presente.
Alguns amigos decidem aproveitar a oportunidade para jogar.
Outros, sentam na arquibancada para assistir.
E uns poucos se reunem num canto para discutir qual é o sentido de tudo aquilo.
Quem é que está certo ?

quarta-feira, novembro 14, 2007

Matando formigas

Formigas microscópicas invadiram meu apartamento.
Mais alguna anos e a presbiopia resolverá o problema. Mas por enquanto tenho que lidar com elas.
A questão é que não me sinto confortável matando formigas, embora elas estejam avisadas de que devem se manter longe da minha casa se não quiserem ter um destino tão triste.
Sou assim com quase todos os seres vivos.
As exceções ficam por conta das moscas e baratas. Não me peçam para explicar.
Ok .. essa foi uma postagem meio besta.
Mas foi no que pensei quando descobri que elas (as formigas) tinham invadido minha máquina de café expresso.

terça-feira, novembro 13, 2007

Ele é ela ...

Gente, que descoberta ...
N1 é o Nicodemo (o neurônio mal humorado).
(aliás, veja que coisa estranha nossa língua - mau humor e mal humorado - depois ainda me criticam ...).
N5 é o Ludovico.
E não é que o N3 é uma neurônia: a Sandy.
Descobri quando ela teve um chilique, ensandescida pela desordem na casa.
Em 3 tempos colocou o Ludo de castigo, enquadrou o Nicodemo e mandou os neurônios pares levarem o lixo para fora.
A cabeça ficou um brinco...

segunda-feira, novembro 12, 2007

Termino agradecendo ...


Quero terminar esse dia agradecendo...
A la vida, que me há dado tanto ...
E, principalmente, àquelas pessoas com quem convivi e convivo, por cada pequeno ato de carinho.
Um sorriso, um olhar, uma palavra, um gesto, uma manifestação de indignação, um movimento protetor, um elogio, uma crítica construtiva, uma manifestação de preocupação ...
Tantos e tantos, geralmente sem esperar nada em troca ...
Guardo todos e cada um, de uma forma muito especial.

domingo, novembro 11, 2007

Drops do Ludo

Ludovico inspirou-se no Ernesto (lá do Assertiva) e, lendo o jornal pela manhã, pediu-me para postar algumas notas ...

- Crise do gás: como é que num país onde se come tanto feijão alguém pode falar em crise de gás ?
- Chavez: o rei Juan Carlos (Espanha), na 17a. cúpula Íbero-Americana, mandou o Chavez calar aboca - CARACAS !!
- Menino vestido de Homem-Aranha salva bebê: que ninguém tenha a infeliz idéia de dar uma fantasia de Super-Homem para esse garoto, pelamordedeus...
- Alimentos matam 1,8 mlhão no mundo: deve ser algum novo programa do tipo Fome Zero...
- Morre escritor americano Norman Mailer: o que será que ele comeu ?
- A Era das bolhas globalizadas: ué, mas toda bolha não é globalizada ?
- Benazir Bhutto é libertada no Baquistão: será que o jornalista estava gripado ?

sábado, novembro 10, 2007

Pensamento de uma manhã de sábado

Acordei (foi acordado) de ressaca...
Ludo ainda dormia, N2, N3 e N4 demoram horas para "estartar" ....
N1, vulgo Nicodemo (meu neurônio mal humorado) assumiu o comando.
Insuportável !
Se tem um estado de espírito que eu realmente detesto é o mal humor.
O pior é que isso se retro-alimenta. Quando estou de mal humor fico de péssimo humor ...
Baixa o índio velho .... o Cutucocú Cuntaquara ...
O negócio é sair de casa e comprar umas bugigangas para apaziguar o selvagem ...

quinta-feira, novembro 08, 2007

Cantos encantadores


Quando me perguntam porque eu gosto de São Paulo costumo responder: não tem praias como o Rio, não é linda como Paris, não tem magia das Terras Altas escocesas, mas é um dos poucos lugares do mundo onde um habitante pode ficar incógnito, esquecer sua "posição social" e encontrar a si mesmo.
O lado curioso dessa "qualidade" é que também podemos "perder" lugares interessantes.
Lá, bem no meio dos Jardins, por exemplo, se esconde um dos restaurantes mais encantadores de São Paulo: a Quinta do Museu.
O endereço não poderia ser mais fácil: Av. Brig. Faria Lima, 2705 (ao lado do prédio da Dacon) - Fone: 3031-0005.
O dono é uma simpatia, a comida excelente, o preço honesto e o lugar ... bem, vá visitar.

quarta-feira, novembro 07, 2007

Dois p'ra lá, dois p'ra cá ...

Dificil traduzir em palavras alguns insights, ou melhor, percepções sobre o comportamento humano, principalmente as relativas a desejos e comportamentos.
Estava conversando com os sócios da empresa no bar do hotel enquanto observava, na mesa ao lado, um piloto e um co-piloto de alguma aerolinha extrangeira bebendo acompanhados de duas garotas de programa.
Embora todos soubessem como aquilo iria terminar, os quatro passaram pelo menos duas horas (já estavam lá quando cheguei) desempenhando papeis estúpidos. Estampada na face de cada um a impaciência era tangível. Mas seguiram heroicamente representando, de parte a parte.
Como não poderia deixar de ser, lembrei-me da reunião de board da qual participei durante todo o dia. Em vários momentos a situação foi similar. Cumprimos longos protocolos para chegar aonde todos sabíamos que iríamos chegar ao final.
Estranha dança, sem prazer ... e ninguém conhece o DJ.
E por falar em dançar, várias vezes observei, também, casais dançando de forma mecânica. Alguns bailando à perfeição. Mas, de novo, presos à liturgia do papel.
Acho que a gente deveria evitar dançar por obrigação. A vida é muito preciosa para isso.

terça-feira, novembro 06, 2007

Chove chuva, chove sem parar ...


E o Rio de Janeiro continua lindo ... alô, alô Terezinha, aquele abraço ...
Impressionante como essa cidade é bonita até debaixo d'agua.
Claro ... preferiria com sol.
Mas fazer o quê se o Universo resolveu chorar quando eu viajo, refletindo meus dissabores menores em pequenas gotas d'água que orvalham minh'alma cansada ...

sábado, novembro 03, 2007

sexta-feira, novembro 02, 2007

O corolário do Padre Eulálio

Padre Eulálio, no seu leito de morte, conversa com uma de suas fiéis mais aguerridas ...

- Tenho medo, minha filha ... medo do juízo final ...
- Mas porque, Padre ... foste tão bom para tanta gente ... fizeste tanto pelos outros ...
- Filha ... não tenho medo que, ao chegar no céu, me perguntem porque não fui tão bom como Madre Tereza, porque não sou Madre Tereza ...
- Mas ajudaste a muitos ...
- Também não temo que me acusem de não ter sido tão importante para a humanidade como Jesus Cristo, porque não sou Jesus Cristo ...
- Mas foste muito importante para nossa paróquia ...
- O que temo, minha filha, é que me perguntem porque não fui eu mesmo, Eulálio ...
A fiel acompanhante não entendeu o alcance da afirmação do Padre, mas percebendo a profunda tristeza em seus olhos, tomou-lhe a mão entre as suas e começou a rezar ...

terça-feira, outubro 30, 2007

Parole

É muito ablogância...
Uma webnegada exposição da digitália.
Mero deletantismo gigabário.
IP, IP, urla !!! - postam-se internéticos.
E eu, podpcasto, downloado-me.

Vamos que vamos

Contribuição de Renato Teixeira ...

domingo, outubro 28, 2007

Bye Bye Brazil (teoria da conspiração)

Ok... trata-se de uma postagem de um exagero semi-histérico ...
Mas não pude deixar de reviver um pensamento antigo quando lí a capa (é, só lí a capa) da Época desta semana, apontando o crescimento do poderio bélico do Hugo Chavez.
Que ele, como outros governantes latinoamericanos, é um títere de interesses maiores, creio que ninguém tem dúvida.
Mas o pensamento que revivi foi a eterna questão da Amazônia, última virgem cotejada pelos mais poderosos reis do planeta.
A imagem de uma invasão da Amazônia pelo exército de Chavez e da posterior interferência da ONU, assumindo o controle do pedaço, não me pareceu absurda.
Na verdade, tenho uma convicção fatalista de que as reservas Amazônicas serão a próxima vítima, na sequência do petróleo. Um mecanismo paranóide de alerta, sempre de plantão, apita todas as vezes em que leio algo que poderia ser o gatilho para uma reunião da ONU, justificando uma invasão.
Pode não ser o Chavez.
Alías, nem precisaria, porque já temos extrangeiros suficientes por lá estimulando a devassa.
Mas também pode ser ...
A questão é que se nossos governantes não estiverem, também eles, subordinados a outros interesses exógenos, deveriam se preocupar e agir o quanto antes...

sábado, outubro 27, 2007

quinta-feira, outubro 25, 2007

Zzzzzzzzzzzzzzz

Zzzzzzz, ronc.....ronc .....rrrrrrrooooonnnnnnccccccc.......
Humpft ..... zzzzzzzzzz..........
Hummmm.......zzzzzzz......

terça-feira, outubro 23, 2007

INSÔMNIA

A chuva cai lenta e incessantemente lá fora
Papeis metálicos
que outrora envolviam os pequenos chocolates austríacos
lotam o cesto de lixo e se esparraman pelo chão
Batatinha ...
O sono não vem ...
Fuso confuso
Contam-se as horas
As que foram
As que faltam
Bailando ao som da valsa
que sai do telefone
que controla a luz
a cortina
o ar condicionado
e a TV
a tal da convergência
o espelho diante de mim
emoldura, dourado
um rosto cansado
dedos ágeis insistem em teclar
mais uma mensagem
aos amigos
a última
antes do amanhã
que segue resistindo

segunda-feira, outubro 22, 2007

A polpa e o caroço

Luisa, lá no Estetikos, postou uma intensa poesia entitulada Fragmentado que me estimulou a voltar a um tema que já abordei por aqui sob uma outra ótica.
É muito difícil gostarmos de alguém por inteiro.
Consequência óbvia, é muito difícil alguém gostar da gente por inteiro.
São interessantes os mecanismos disparados por esse fenômeno.
Do nosso lado, a carência afetiva, necessidade de afeto ou aprovação, pode levar à rejeição daqueles aspectos pessoais menos "aceitos" pelas pessoas que queremos bem.
Do lado do outro, daqueles que querem gostar da gente, é comum a "negação". Aceitam o que consideram a nossa "parte boa" como se essa fosse nosso "verdadeiro" eu. O resto é episódico, comportamentos inadequados que, insistem, devemos "consertar".
Com o tempo, se transforma numa condição para aceitação.
É tão bom quando a aceitação é incondicional ... quando o outro nos aceita apesar dos "defeitos".
Ainda melhor quando nos aceita porque temos "defeitos", e isso nos faz mais interessantes e humanos. Mais desafiadores do "status quo" e, por isso mesmo, estimuladores do desenvolvimento.
Por muitos anos "comprei" a idéia da perfeição para mim, embora fosse mais "tolerante" com os outros.
De uns anos para cá, descobri que estava errado nos dois casos.
"Errado" é um exagero. Afinal, era o que eu tinha condições de fazer.
Agora trabalho para me aceitar como sou, por inteiro.
E a consequência interessante é que sou menos "tolerante". Tolero menos, aceito mais.
Julgo menos, e simplesmente decido como conviver com o outro.
Essa tem sido mais uma interessante experiência de vida ...

ps - quanto ao título, foi para lembrar que no caroço (a semente) está o segredo da continuidade.

Enquanto isso, na sala dourada ...

O congresso está ótimo.
Papers interessantíssimos sobre "Measuring issue specific", "Dynamic Segmentation" e "Statistical procedures and models".

Casa cheia, mentes argutas e eu, acompanhando tudo com singular atenção ...

domingo, outubro 21, 2007

Livre da influência norte-americana

Viena é uma cidade aparentemente livre da influência norte-americana.
Para começar, posso assistir pelo menos 5 canais árabes no quarto do hotel. Entre eles, a Al Jazeera.
A experiência deixou-me sem palavras, já que não entendo nada de árabe.



Outro indício é que a pressão anti-tabagista ainda não chegou por aqui. Pode-se fumar em qualquer lugar. Está certo que, como a temperatura está por volta de zero, ninguém abre as janelas e a fumaceira é insuportável. Mas liberdade é liberdade ...
Também aquela coisa irritante do politicamente correto passa distante de Viena.
Há palavrões por toda a parte. Não entendo nada de alemão austríaco, mas as palavras são enormes e ninguém liga a mínima.
Onde a diferença se faz sentir de forma mais intensa é no consumismo.
Aqui, como em boa parte da Europa, não se trocam coisas só porque estão fora de moda.
Vejam o caso da música.
Os músicos populares por aqui seguem sendo os mesmos desde o século XVIII. E olha que alguns já morreram.
Claro que há algo de conservador nisso.
A famosa torta Sacher (uma espécie de bolo de pão de mel coberto com cobertura de chocolate), produzida originalmente por um hotel que leva o mesmo nome, perde para qualquer doce de padaria no Brasil. Mas ninguém deixa de prestigiá-la por isso.
E o cuidado que têm com a arquitetura, então, é enternecedor. Uma enorme demonstração de respeito aos turistas que atravessam o mundo para admirá-la.
Todas as edificações históricas estão em permanente trabalho de conservação e recuperação, cuidadosamente “embrulhadas” com uma manta especial para proteger os pedestres. Devem ser lindas ... pena que não dá para ver.


sábado, outubro 20, 2007

Pensando bem ...

Até que o lugarzinho é simpático ...
Deixando de lado as 20 horas de viagem e a comida alemã do avião ...
E ... e como era da Lufthansa, a mala chegou. Mas nada do Ludo ...
Acho que ele fugiu com a loira da mala...

quinta-feira, outubro 18, 2007

Sobre limões e aviões ...


Lá vou eu viajar de novo. Que porre.
Meu avô sempre me dizia: se te derem um limão, faça uma limonada !
Conselho inútil ... Nunca ganhei um limão.
Tem gente que me diz: "você reclama de barriga cheia ... muita gente gostaria de estar no seu lugar !"
Essa afirmação merece ser decupada...
Em primeiro lugar, reclamo mais de barriga vazia.
Em segundo lugar, as poltronas do avião são muito pequenas para que muita gente ocupe o meu lugar.
E, por último, muita gente gosta de requeijão e eu continuo não gostando.
Mas vamos a uma abordagem objetiva dos fatos.
Tenho que sair de casa pelo menos 3 horas e meia antes do vôo, mesmo sabendo que ele vai atrasar.
No total, me aguardam deprimentes 4 horas e meia de trânsito, fila, mal atendimento, e espera desconfortável.
- A gente se acostuma - disse um amigo outro dia ...
Não sei porque a repetição de uma coisa ruim a tornaria, de algum modo, melhor ... mas cada um é cada qual ...
Poucas coisas normais são mais aflitivas do que passar 12 horas trancado num avião, na expectativa de uma conexão na sequencia, com risco de atraso.
Mas superada essa parte triste, vem a parte boa ...
Quatro dias de palestras e networking, das oito da manhã até o último alcólatra desabar sobre o balcão do bar do hotel, depois de contar a mesma piada, em inglês, do ano retrasado.
Um sonho para os jovens carreiristas.
Pena que não sou jovem, nem carreirista.
Mas, na verdade, não estou aqui para reclamar que não sou disso.
Estou para informar que talvez não possa postar nos próximos dias.
E que o Ludovico já está trancado na mala ...



terça-feira, outubro 16, 2007

O retorno do Ludovico


Pois é, pessoal ...
Durante apresentações em congressos N1 e N2 são designados para segurar o Ludovico, meu neurônio lúdico.
N3 e N4, os dois neurônios restantes, se desdobram para performar com aceitável conteúdo aparente, meu papel de palestrante.
Vez por outra, distraidos por um daqueles arrepios na espinha provocados por alguma sinapse mais atrevida, N1 e N2 deixam Ludo escapar por poucos instantes, para deleite da platéia.
Desta vez, re-capturaram o Ludo logo quando eu havia mencionado que Marketing era a segunda profissão mais antiga do mundo, e ele se preparava para explicar qual era a primeira com requintes de detalhes.
N1,4 estão preparando um plano especial para garantir a seriedade da performance no próximo congresso. Afinal, será em terras européias, entre cientistas sociais de terno e gravata.
Comentários sobre perfumes franceses, comida inglesa, humor alemão ou educação espanhola não são sempre bem compreendidos.
Piadas sobre árabes e judeus, tão comuns por aqui, tem efeito defenestrante por lá. Não conseguimos explicar ao Ludo a razão desta excentricidade.
Minha maior preocupação é o jantar de gala. N1 e N2 são pouco resistentes ao vinho francês.
No primeiro jantar, há 6 anos (o encontro é bi-anual), Ludo derrubou vinho no único paletó de John, um simpático senhor inglês.
A reação do homen não foi das melhores.
Claro que Ludo não poderia deixar barato. Dois anos depois, repetiu a façanha com o mesmo sujeito, usando o mesmo terno.
Inacreditável.
No ano retrasado quando, sentados em posição estratégica, aguardávamos novamente a vítima, fomos supreendidos por sua astúcia...
- Oh, no ... you again - he said before scape to another table.
Ludo ficou triste. Teve que se contentar com uns poucos respingos de calda de amora no vestido branco de uma americana distraida.
Parte do plano é convencê-lo a ir na mala, nessa próxima viagem.
Contando com o habitual nível de serviços da British, a mala só deve chegar depois da palestra ...
ps - Foi o Ludovico quem escolheu a foto !

sábado, outubro 13, 2007

Desafios do Marketing

Participei hoje de um interessante debate sobre os desafios atuais e futuros dos profissionais de Marketing, no evento promovido pela Consulting House, no Sofitel do Guaruja (Marketing Summit).
Partilhei a mesa de debatedores com Fernando Terni, presidente da Schincariol, que fez uma brilhante introdução sobre o que é ser um "profissional" nos dias de hoje, e com Tarcisio Gargione, VP de Marketing da Gol, que nos brindou com interessantes exemplos dos bastidores Gol/Varig, sob a batuta moderada de Nahid Chicani, sócio da Transearsh.
Do encontro, elegi um conceito para partilhar, construido pelo aporte coletivo:
O desafio do profissional de marketing é entender as necessidades dos "stake holders" (clientes, funcionários, fornecedores, acionistas e sociedade) e encontrar processos capazes de satisfazê-las respeitando a missão, a visão e os valores de sua organização.
Seu objetivo, de uma forma sintética, é ser parte relevante e indispensável dos objetivos dos outros.

quarta-feira, outubro 10, 2007

No meio do caminho tinha uma pedra...

Tal qual na expressão "viver não é preciso", o duplo sentido é sempre estimulante.
Assim também é a multipla interpretação.
No curto espaço de tempo e que dei aulas de "criação publicitária" na ESPM, costumada dizer aos alunos que em propaganda não existem sinônimos, porque as palavras remetem a imagens diferentes em função do repertório (principalmente emocional e sensorial) de cada um.
Aliás, tem uma matéria interessante na Época desta semana sobre a comunicação através de palavras.
Mas o ponto é a pedra no meio do caminho.
Para os pessimistas, um problema.
Para os empolgados, um desafio.
Para os otimistas, vide a foto.
Para mim, doces lembranças de uma adorável tarde na praia...

terça-feira, outubro 09, 2007

Com singular alegria

Começo a semana com singular alegria.
Mais leve porque livre de algumas pendências que me apocrinavam ha tempos ...
E feliz, porque o ruído que causavam me impediam de curtir as pequenas e gostosas singularidades do dia a dia.
E olha que estava trabalhando até agora ...
Um beijão para todo mundo !

segunda-feira, outubro 08, 2007

domingo, outubro 07, 2007

Os heróis

Já andei postando algo sobre a influência dos heróis na personalidade do homem adulto, principalmente quando desempenham papeis de liderança.
Recentemente passei a entender melhor a psicologia Junguiana e toda essa história de arquétipos.
Nesta noite, como último ato antes de partir para o mundo dos sonhos, decidi prestar uma homenagem a um dos meus heróis, e aos autores que dedicaram suas vidas a inspirar gerações.
Os que escrevem e os que desenham realizam uma obra que vai além das aparências.
E esse espírito está presente hoje em mim, portador de seu legado.
Minhas reverências ...

sábado, outubro 06, 2007

Excentricidades

Tenho uma garrafa velha de licor de cassis que uso como castiçal.
Meu objetivo é deixar a parafina escorrer em torno da garrafa, lembrando aquelas velhas cantinas italianas.
Também tenho uma baixela de prata inglesa, arrematada num leilão em Minas, que adoro ver oxidada na prateleira da cristaleira sem porta (a porta está decorando a parede do estúdio de som na casa do meu pai).
E tenho a Alice, minha faxineira de anos, que insiste em limpara a garrafa e a prataria.
Coisas de gente excentrica.

sexta-feira, outubro 05, 2007

Ludo e Malú: o vídeo ...

Tal qual prometido, segue o vídeo pirata do re-comentado encontro ...


video

quarta-feira, outubro 03, 2007

A transcrição ...

Muita gente se perguntou sobre o que estariam conversando Ludovico e Malú durante seu passeio no bosque.
Consegui uma transcrição pirata com um sujeito lá do Rio de Janeiro. Veio de brinde, junto com a cópia do Tropa de Elite ... promoção casadinha.
Segue o único trecho que deu para ler ...

- Quem tem medo do lobo mal, lobo mal, lobo mal ...
- Ô, Malú ... que musiquinha besta !
- Não teve infância não, peludão ? Passear no bosque enquanto o lobo não vem é massa ! Depois fica melhor ainda !!!
- Sei não ... essa paisagem, essas flores, essa relva húmida, me dão vontade de fazer outra coisa ...
- Fazer o quê, fôfo ?
- Espirrar .... Atchim !!!!
- Ih... já ví que desse mato não sai coelho ...
- Tem coelho aqui ... tem coelho aqui .... oba ... adoro coelhinho ...
- Putxx.joiednge (ilegível) ... não tinha um neuroniozinho melhor lá de onde você veio não ?
- Bem .. tava todo mundo trabalhando ... todos os 4 ... eu queria brincar com eles .. aí eles disseram ... porque você não vai brincar com a Malú ? ... disseram que você adora um barbudo e que não ia se incomodar que eu era peludo ...
- Ai ... se tem uma coisa que eu odeio é senso de humor de engenheiro ....
- Ih Malú ... tá um cheiro muito ruim por aqui ...
- Não fui eu ... nem vem !
- Argh ... smell bad ...
- Que horror ... vem daquele lago ... que coisa horrorosa ... pior do que a lagoa Rodrigo de Freitas em dia de maré verde ... Vamos atravessar aquela ponte ....
- Tá ... mas me dá a mão que eu morro de medo de ponte ... me lembra aquelas sinapses horrorosas ...

Bem, a transcrição termina aí ... mas o cara me prometeu uma gravação semi-oficial, musicada pelo David Bowe, do que aconteceu depois ...
Assim que conseguir eu posto.

terça-feira, outubro 02, 2007

Papparazzi flagra Ludovido e Malu no bosque ...

Está nos tubos ... um papparazzi italiano flagrou o Ludovico, neurônio lúdico do Flavio passeando no bosque com a Malú, neorônia lúdica da Lúcia.
Dizem as más línguas que estavam se divertindo ...

domingo, setembro 30, 2007

Fazer diferença

Gosto de pensar que fui ou sou importante para alguém.
De algum modo, isso me faz sentir bem.
Por outro lado, essa "responsabilidade" as vezes me assusta.
Melhorou muito, como comentei no blog da Raffaella, quando compreendi que ser importante não me faz, necessariamente, responsável.
Não acho que alguém irá, algum dia, descobrir o sentido da vida, de forma absoluta.
Mas acho que cada um pode dar um sentido para sua vida.
O grande risco é fazer disso uma "missão", e deixar que tome conta da sua vida.
Aí, a vida perde o sentido. Irônico, não ?
Fazer diferença não é, para mim, uma missão.
Faço quando posso, porque gosto.
Ou seja, faço por mim.
É bom quando se encontra alguma coisa para fazer por sí mesmo que, de algum modo, pode trazer benefício aos outros.
Acredito que o mundo fica melhor assim.
Não precisa ser nada muito excepcional.
Contar uma piada, mandar flores, pagar um café, um gesto carinhoso inesperado, uma pergunta que ninguém fez, não falar nada, não exigir que se fale, um abraço, um sorriso, a mão no ombro, o ombro amigo... Qualquer um pode fazer isso.
E se isso não puder dar algum sentido para sua vida, bem ... mal também não vai fazer.

sábado, setembro 29, 2007

Complexidade


Depois de uma sequência infinita de reuniões de "board" para finalizar os "budgets" para 2008, um pensamento me ocorre (um último, num átimo)...
Como o ser humano complica a vida !!!!
E o pior é que não consigo ter inveja das formiguinhas.
Só acho que erramos a mão... exageramos.
Alguém tem a idéia de fazer 10 mandamentos. Simples e brilhante, embora tenda a discordar de alguns.
Mais bem comportados, evoluimos. E já não bastam os 10. Criamos a Constituição.
Como ainda é pouco, legislamos e concebemos os Códigos.
Que, obviamente, se desdobram novamente em "Políticas" nas empresas.
Mas alguém precisa controlar isso tudo, atualizar, fazer cumprir, punir, etc, etc ...
E criamos estruturas cada vez mais complexas.
Um enorme estímulo à criatividade, já que a natureza humana nos compele a desobedecer.
Bem, desobedecer um dos 10 mandamentos, que todo mundo conhece, dá na vista.
Já desobedecer a Lei 14.680 do código civil pode passar desapercebido ... e ninguém irá para o inferno por isso.
É ... a complexidade tem suas vantagens.
Mas namorar na praia é melhor ...

quinta-feira, setembro 27, 2007

Homens Modernos

Estava preparando o texto para a introdução de uma apresentação que a equipe do IBOPEmídia vai fazer na próxima semana, no congresso MaxiMídia sobre o tema Novo Homem.
Deparei-me com o fato de que o "mercado" não está devidamente preparado para ele.
Um exemplo: se você quiser lavar suas meias e cuecas no banho, vai ter que comprar o HigiCalcinha ...

segunda-feira, setembro 24, 2007

Suplício...

Não costumo postar sobre política, mas essa eu não resisti.
Está no estadão de hoje:
- O Senador Eduardo Suplicy entregou a carta de desculpas do Maroni (dono do Bahamas) para o prefeito Kassab (a quem havia chamado de "madre superiora").
É a melhor notícia desde que elegeram a Roseana Sarney como musa do impeachment do Collor...

domingo, setembro 23, 2007

Pensamento noturno

Existo
E isso não é tudo
Existimos
E isso é tudo

Isso tudo que está aí ...

Cresce a revolta contra isso tudo que está aí.
Vozes se levantam, principalmente da classe educada, clamando para que não calemos.
Mas da conversa com o Walmir e a Ti, concluí que as coisas não vão mudar tão cedo.
Isso porque essas mesmas vozes clamantes da classe educada, estacionam seus carros em fila dupla, aproveitam relacionamentos para filar filas ou obter pequenos favores, etc, etc, ou seja, buscam pequenos benefícios em detrimento dos outros quando está ao seu alcance. Se estiverem no poder, buscarão grandes benefícios.
De qualquer forma, é pouco provável que conseguissem chegar lá, porque também não estão dipostos a trabalhar para o bem da comunidade.
A maioria não frequenta as reuniões de condomínio de seu próprio prédio e são poucos os que se canditatam a síndico (uma chatice, convenhamos, já que não se ganha nada para isso).
Ou seja, são parte de tudo isso que está aí ...

quinta-feira, setembro 20, 2007

O nome já diz tudo ...

Encontrar bons profissio- nais hoje em dia é muito difícil.
Quando topo com um, faço questão de informar os amigos.
Em retribuição, uma amiga que prefere não ser identificada, enviou-me a lista de profissionais de sua confiança.
Aproveito o poder da new media para praticar o bom e velho marketing viral. Segue a lista...
Marcos Dias - Fabricante de agendas e calendários
H. Lopes - Professor de Hipismo
Oscar Romeu - Vendedor de carros usados
Hélvio Lino- Professor de música
K. Godói - Médico especialista em hemorróidas
Eudes Penteado - Cabeleireiro
Sara Vaz - Mãe de Santo
Passos Dias Aguiar - Instrutor de Auto-escola
Iná Lemos - Pneumologista
Ester Elisa- Enfermeira
Ema Thomas - Traumatologista
Malta Aquino Pinto - Urologista (especializada em DST)
Inácio Filho- Obstetra
Oscar A. Melo - Confeiteiro

Conhecer e conhecer-se

Duas experiências recentes e interessantes na minha vida.
O Arguta Café e o curso de teatro.
Com o primeiro, 3 grandes prazeres: escrever, compartilhar, conhecer gente bacana.
Com o segundo, experiência novinha em folha, outros 3 prazeres: relaxar, conhecer-me e conhecer gente bacana.
Disse para uma amiga ontem: se você não beijar os sapos, não vai encontrar seu príncipe.
Nem tudo que tentei na vida deu certo. Embora, como já tenha dito, sou um cara de sorte e a vida me tem sido generosa.
O Arguta, como porta de entrada para nossa blogaldeia, foi um grande presente. Tem sido uma deliciosa viagem.
As aulas de teatro, um grande aprendizado. Um exercício de deixar-me levar.
Já falei sobre o viver e deixar viver. Tão difícil mas tão importante.
O deixar viver foi tema de nossa blogaldeia por muitos posts e comments ...
Hoje, quer apenas sugerir: beijem muitos sapos !

quarta-feira, setembro 19, 2007

Disposto a postar

Embora meu horário de trabalho tenha, aparentemente, se extendido até as duas da manhã de forma semi-permanente, eis-me aqui disposto a postar.
A questão que se coloca, caros leitores, é como extrair de um cérebro esgotado uma última gota de pensamento a altura do respeito que lhes é devido.
Dos 5 neurônios habitualmente disponíveis, 3 foram dormir esgotados, e um esta embevecido pela cor rubra do licor de cassis e perdido em suas memórias elétricas.
O último que sobrou, felizmente, é o Ludovico.
Ludovico é meu neurônio lúdico.
Durante o dia, perturba as reuniões de trabalho acionando o mecanismo inconsciente de lançamento de bolinhas de papel e pedaços de clips.
Ao atravessar a rua, sistematicamente desloca a atenção da frente dos carros para a traseira das transeuntes.
Durante os discursos sérios, provoca as conexões mais esdruxulas e se diverte acompanhando o esforço dos outros 4 tentando conter as amebas risonhas.
Por ocasião dos velórios, destaco sempre dois neurônios para vigiar Ludovico, por segurança.
Um dia, deixando o velório do pai de um amigo, distrai-me por um segundo e la estava Ludovico e ação. Quando percebi, já estava dizendo que do morto não precisaria me despedir ...
Os outros quatro acionaram rapidamente a adutora enviando algumas lágrimas oportunas para os olhos que, marejados, conferiram um sentido mais adequado à afirmação. Salvei-me.
Eis que, me parece impossível, contando apenas com Ludovico, fazer uma postagem decente.
Se enveredo pela política, Ludovico sugere um fã clube para o Renan Calheiros com o mote:
- Vá buscar outro culpado, deixa o cara no Senado
Se penso em negócios sustentáveis, Ludovico menciona o subsídio à produção de sutiãs e recomenda a Érica como ministra.
Quando imagino que falar sobre meu prato preferido, macarrão, seria uma alternativa, Ludovico afirma categórico:
- Já não chegam as minhocas na cabeça ?
Decidi ficar, então, com a poesia, contando com o romantismo lúdico do Vico.

O amor, ah o amor
Que o coração espezinha
Quando me obriga a por
novamente a camisinha

Quer saber ... melhor deixar para amanhã.



segunda-feira, setembro 17, 2007

Pensamento da noite ...

Anotar na agenda: preciso parar de trabalhar aos domingos ....
Tem coisa melhor para fazer ...

sábado, setembro 15, 2007

... y el rojo de la pasión ...


A los otros uno es lo que aparenta ser ...
Lúcia comentou que eu tenho um grande coração. Assim é, se lhe parece (segundo Luigi Pirandello).
Também há quem tenha dito que eu sou anti-latino, que teria um certo preconceito contra nuestros hermanos de América Latina.
Costumo preocupar-me mais com o que considero uma crítica do que com os elogios.
Gosto da idéia de ter um grande coração, assim como gosto de muitas outras imagens construidas pela Lúcia, sempre generosa, a meu respeito.
Não gostei da ideia de ser anti-latino e resolvi desafiá-la. Questionei-me sobre o porque de levar alguém a construí-la.
A razão primeira poderia ser a verdade. Seria eu anti-latino ?
Se isso fosse verdade, estaria em maus lençois, já que profissionalmente sou responsável por cuidar dos negócios da empresa em todo o território. E negócios são construídos por pessoas.
Nunca me imaginei anti-latino. Mas talvez esse fosse um meu "monstro" desconhecido (vide poesia da Zuleica (http://www.zuleica-poesias.blogspot.com/).
Vamos aos fatos:
- Já me peguei contando piadas de argentinos, mas esse é um esporte continental. Os argentinos são os cariocas da América Espânica. Igualitos aos brasileiros, pero muito melhores.
- Também respondi a um colega chileno que me peguntou, segurando um cabo de força na mão e fazendo um movimento ascendente, "donde lo enchufo", que por aqui a gente não costumava enchufar nada ...
- Demorei muito para entender o senso de humor cínico dos amigos Uruguaios. Devo ter chutado abaixo da medalinha antes disso.
- Cheguei a comparar a sociedade coronelista peruana ao nordeste do ACM, numa clara demonstração de duplo preconceito.
- Antes de visitar a Colômbia, confesso que tinha uma péssima imagem do país. Hoje, me pergunto se o que aconteceu por lá foi por influência do Brizola, já que a Colômbia é um pais maravilhoso com um povo inteligente e educadíssimo, vítima do "laissez-faire" de sucessivos governantes.
- Nunca visitei a América Central. Uma ofensa grave.
- E levei anos para entender a lógica do povo mexicano, tão parecido com o brasileiro em seu calor humano e tão diferente nos codigos de relacionamento. Pisei na bola diversas vezes, com a melhor das intenções, mas estou aprendendo.
Em suma, para um observdor atento, poderia passar muito bem por um anti-latino em pele de cordeiro.
Mas e no fundo desse meu grande coração que a Lúcia viu ?
Mergulhei alí em busca da verdade e encontrei a palavra "Hermanos", assim mesmo, com H mayúsculo.
Encontrei o amor consanguíneo, crítico e competitivo. O prazer das "peleas fraternas". Um enorme sentido de "ser y pertenecer" que é automaticamente acionado sempre que algum norte-americano ou europeu quer nos colocar no balaio de cidadãos de segunda categoria.
É quando eu penso: somos, sim, cucarachos porque vamos sobreviver a toda destruição provocada pelos povos que se auto-proclamam "desenvolvidos".
"Las cucarachas no se ven feas ni cucarachas".
Me dou conta de que meu coração, além de verde, amarelo, branco e azul anil, também é vermelho, como o de todos nós.
E com essas 5 cores, desenha todas as bandeitas da América Latina.

Besitos ...

sexta-feira, setembro 14, 2007

Meu coração é verde, amarelo, branco e azul anil

Eis-me de volta ao Brasil - il - il - il !!!
Juro que não entendo porque tanta gente quer se mudar para Miami.
Vamos desconsiderar, por um momento, a turma que rouba aqui para gastar lá ...
Esses eu até entendo. Lá ninguém pergunta de onde vem a grana. Basta ter grana.
Outro dia escutei um garotão conversando com seu "mano" no metrô:
- Tô juntando uma grana ... ano que vem saio dessa merda !! (leia-se nosso país)
- Firmeza ... (expressão de concordância do mano)
- Tô arrumando uma parada em Miami...
- Tem esquema ?
- Fala sério ....
- Da hora ...
Fiquei me perguntando se o sujeito já havia estado em Miami.
Cidade grande, moderna, rica ...
Ostentação é a palavra de ordem. Neguinho não repete nem marca de carro.
Ecologia, em Miami, é um conceito que se aplica em outro lugar.
Só para dar um exemplo simples, toda vez que deixava o quarto do hotel eu desligava o ar condicionado (nas raras vezes em que ligava, até porque detesto ar condicionado). Sempre que voltava para o quarto, geralmente tarde da noite, o ar estava ligado novamente. Extremo oposto dos países da Europa ocidental, onde a turma reclama se você toma banho todo dia...
Bem .. eles se preocupam muito com o verde ... com um tal de "green card".
E quando os latinos conseguem o seu cartão verde, automaticamente adotam um ar de arrogante superioridade (para compensar o complexo de inferioridade).
Se conseguem a cidadania americana, então, sai de baixo ...
Claro que há exceções. Conheço várias. Nosso escritório da empresa em Miami, por exemplo, tem um time composto por brasileiros, colombianos e mexicanos (entre outros), que amam seu país de origem e escolheram viver em Miami por motivos profissionais ou pessoais. Gente bacana, consciente e que não se deixa deslumbrar.
Mas o objetivo do post não é falar mal de Miami. É dizer que cada vez que passo um tempo fora daqui, reforço meu sentimento de bem querer pelo Brasil.
Meus queridos, eu adoro nosso país e os brasileiros que aqui estão.
Bem, por aqui também tem exceções .... Mas deixo isso para o Ernesto comentar.

quarta-feira, setembro 12, 2007

Para não dizer que não postei ..

Tô muito negativo hoje ... dois "não" em um mesmo título !!!
Bem, matematicamente, negativo com negativo dá positivo...
Então, tudo bem ... ufa.
Estando eu, portanto, positivo, quero deixar uma mensagem de otimismo para a humanidade.
Aí vai:
"Humanidade: seja otimista !"