Páginas

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

Redução de equipes


Dois funcionários da prefeitura de uma pequena cidade trabalham no jardim da praça.
Enquanto o primeiro, munido de uma pá, cava pequenos buracos, o segundo segue seus passos tapando imediatamente os buracos abertos.
Um cidadão curioso com a cena aparentemente absurda decide interrogá-los:
- Mas o que significa isso, senhores ?
- Estamos trabalhando ! – responde mal humorado o primeiro.
- E vocês tem certeza de que não há nada de errado nesse trabalho ? – retruca o cidadão.
- Olha, sem tem alguma coisa errada é culpa do Marcos. – apressa-se o segunda em explicar.
- Mas quem é esse tal de Marcos ? – pergunta, curioso, o transeunte.
- Marcos é o nosso chefe. Ele mandou embora o Adolfo, que era o cara que colocava as sementes.
(adaptado de Melhores Piadas de Seleções)

Moral da História
Se você pretende fazer uma redução na equipe, melhor repensar todo o processo antes.

5 comentários:

Alberto A V Alves disse...

Caro Flávio,

Conhecer todo o processo é no mínimo indispensável para se pensar em redução de efetivos. Mas além do precesso o Gestor precisa necessariamente conhecer todo o pessoal que opera e faz parte integrante do processo. Pois se a redução é necessária os que permanecerem deverão ter capacitação para garantir o processo.

No caso que você nos apresentou mostra na realidade o quanto estava capacitado o personagem Marcos, não conhecia o processo e muito menos seu pessoal da operação. Só podia dar no que deu. Até parece que o fato pudesse ter ocorrido em um certo país Europeu...

Nosso país e muitas de nossas empresas acumulam em seus quadros muita gente deste tipo ainda.

Precisamos mudar esta situação, vamos colocar bons engenheiros em cargos executivos, mas preste atenção, eu "falei" (escrevi) "Bons Engenheiros".

Um abraço. Alberto

doppiafila disse...

De acordo com o Alberto - neste caso, o erro foi nao reconhecer que toda a equipe tinha que ser mudada...

Alberto A V Alves disse...

Doppiafila pode, no meu entender, até ter razão, porém tomar uma atitude tão radical implicaria em paralizar as atividades, sabe-se lá por quanto tempo e isto poderia comprometer a existência da empresa. Eu optaria, inicialmente, por trocar o comando e acompanharia o novo "comandante" de perto e detidamente. Sendo ele adequado, fomentaria a substituição gradativa de toda a equipe se necessário fosse. Desta forma prezervariamos, no mínimo, a existência da companhia...

Anônimo disse...

Flavio,

After realising that this blog is in portuguese, I have found yet another reason to improve my "spanish"...Yes I do realise the difference, but I guess improving my spanish is a good step to be fluent also in portuguese. And now to a promise. My spanish will until the next time we meet be significantly improved and not only limited to phrases such as "Arriba con los manos"...

All the best from a Sweden covered in snow...

Peter Callius

Flavio Ferrari disse...

Well,

Nice to have Peter joining Arguta Café !
We are becoming international !!!
I will try to post something in Esperanto next time, just in case.