Páginas

quinta-feira, novembro 30, 2006

O homem, o menino e o burro


Contribuição da amiga mexicana Luisa Hinojosa. Uma fábula que ela leu aos 5 anos de idade e que marcou sua vida.
"Um homem e seu filho caminhavam pela estrada, levando seu burro.
Algumas pessoas que vinham em sentido contrário comentaram:
- Que absurdo. Os dois andandando a pé nesse calor e o burro belo e folgado ....
O homem achou que os passantes tinham razão e protamente colocou seu filho no lombo do burro.
Mais adiante outros passantes, vendo a cena, comentaram:
- Que triste. Um jovem com saúde no lombo do burro e o sernhor, mais velho, tendo que caminhar debaixo desse sol ... já não há respeito !
O homem ponderou que o comentário fazia sentido e trocou de lugar com seu filho, passando para o lombo do buro.
Algumas centenas de metros mais adiante, outro grupo escandalizado comentou:
- Isso que é falta de consideração... um adulto belo e folgado sobre o lombo do burro enquanto a criança é obrigada a caminhar sob o sol escladante. Que tortura para a pobre criança.
O homem, envergonhado, fez subir também a criança no lombo do burro.
Poucos minutos depois um novo grupo de andarilhos, com um olhar de reprovação disse:
- Agora é assim que se tratam os animais. O pobre burro, fatigado pelo calor, obrigado a carregar duas pessoas no seu lombo. Uma crueldade sem limite com o animal.
Moral da história: não importa o que você faça, sempre haverá alguém para criticar.
Portanto, faça o que achar certo, ou logo logo vai estar carregando o burro nas costas.

8 comentários:

doppiafila disse...

Muito boa! Com as historias da Luisa darìa para abrir um blog independente, né?? :-)

Amanda Arthur disse...

Concordo! Luisa é conteúdo garantido... Consegui vê-la contando a história!
E, by the way, bela moral da história... já anotada no caderninho mental!

Anônimo disse...

Trazendo a discussão pra cá:

- Flavio Ferrari

E, apenas para constar, o marketing bem feito não inventa necessidades ... apenas as explora.


- Dysfemismo


Todo burgues publicitario acredita nisso. Mas é muita ingenuidade acreditar que a coca cola e a marlboro apenas exploraram necessidades e não abusam de possibilidades humanas pra transformarem-nas em necessidades inexoraveis.

Se os meios de comunicação em massa não tivessem nenhum poder de reciprocidade (ou seja, o poder de ser criado por uma sociedade e de recria-la novamente) eu até concordaria.

Mas é obvio que sua idéia só faz sentido porque a propria classe que cria e recria o mundo através da publicidade tem o interesse individual (o de livrar a propria consciencia) e coletivo (o de convencer a outra classe, mais numerosa, de que o marketing é inofensivo) de pensar assim...

Isso me lembra inclusive boa parte da pauta dos apologistas do jornalismo: eles repetem tanto sob re o "jornalismo imparcial" que pretendem convencer a si mesmos e aos seus leitores que, de fato, existe imparcialidade e que as notícias são isentas de posicionamento político...

Como se todos fossem esquizofrenicos e tivessem a capacidade de sair de sua propria existencia pra um plano etéreo e imaculado de imparcialidade na hora de escreverem notícias.

A mesma coisa serviria pra propaganda, se a televisão, as revistas e os jornais existissem num plano superior aonde as necessidades do homem são absolutamente estáticas, imutáveis, perfeitas - e nunca no mundo real, num mundo em que voce acende um cigarro, entra em um carro importado, liga o seu ipod, conversa no skype e come no mcdonalds.

Anônimo disse...

(Se bem que no caso do cigarro a propaganda já não é mais indispensável pra manutenção da necessidade porque o convívio social e o poder da droga já fazem todo o trabalho sujo...)

Anônimo disse...

*recria-la reciprocamente, não novamente

Anônimo disse...

(também adicionaria que o carro importado tem muito mais funções e potencialidades automotivas do que voce vai usar durante a sua vida, considerando as condições automobilísticas do transito e da qualidade das ruas de são paulo..)



Beijos

Glaura disse...

Uma vez a mãe de uma criança, que fazia um ¨daqueles escandalos¨ num supermercado, porque queria porque queria alguma coisa, ao se sentir observada, perguntou em alto e bom som:
¨E agora, agrado os que me estão achando uma banana e bato em minha filha aqui mesmo? Ou agrado aqueles que estão me achando desnaturada e compro o que ela quer, mesmo não sendo o que deva fazer?¨
Não preciso dizer que deixaram de olhá-las e acho mesmo que deixaram de julgar os outros por algum tempinho...
Penso que os passantes é que deveriam levar o burro nas costas, ou dar uma ajudinha para o trio, já que estavam tão preocupados, mas duvido que tenha passado algo tão prosáico pela cabeça de algum deles!

Unknown disse...

網頁設計 網路行銷 關鍵字廣告 關鍵字行銷 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ