Páginas

terça-feira, dezembro 22, 2009

O melhor CEO do mundo



Steve Jobs foi eleito o melhor CEO do mundo pela Harvard Business Review.

A principal razão, aparentemente, foi seu impressionante trabalho de recuperação da Apple. Segundo o ADNews, de onde tirei a foto e a notícia, o valor de mercado da empresa cresceu US$150 bilhões nos últimos 12 anos, e estima-se que ele deu um retorno de cerca de 30% ao ano para todos os acionistas.

Do ponto de vista de uma revista de negócios, esse é o resultado que conta.

Mas a tarefa de um CEO vai muito além disso. Resultados financeiros garantem a permanência no cargo e significativas bonificações no final do ano. E, como consequencia, a oportunidade de realizar tarefas igualmente relevantes como estimular o desenvolvimento de pessoas, oferecer um bom ambiente de trabalho, contribuir para o bem estar da sociedade, enfim, coisas importantes para a felicidade. Lucro é fundamental ... sem ele, não dá para a empresa sobreviver e, no final das contas, é a razão pela qual os investidores apoiam o negócio. Mas é apenas o começo de tudo.

Quero acreditar que o Steve Job também pensa assim. É muito difícil levar a empresa para onde ele levou sem uma equipe talentosa, orgulhosa de seu trabalho e, sobretudo, feliz. A estética de seus produtos, por sí só, é um presente para sociedade.

Mas seria bacana ver essas outras coisas valorizadas pela mídia.

6 comentários:

The Blues Is Alright disse...

É aquele velho papo de que tudo é útil dentro da inutilidade, que deixa de sê-lo quando aparece mais de uma inutilidade, seja pra Chief Executive Officer, pra chefe de cozinha ou pra limpar a minha casa.

Denise disse...

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...Mas será que poderia me dar uns minutos da sua atenção?Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você.
Para onde vão todos?
Os shoppings estão lotados...Crianças são arrastadas por pais apressados, em meio ao torvelinho...
Há uma correria generalizada...
Alimentos e bebidas são armazenados...E os presentes, então?
São tantos a providenciar...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Mas qual é o motivo dessa correria?
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Talvez você nunca tenha notado que há pessoas que oferecem presentes por mero interesse...
Que há abraços frios e calculistas...
Que familiares se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação.
Mas já que você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: para que tanta correria?

Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: "viva Jesus, feliz Natal"!
E os sóbrios comentam: "é louco!”.
E a cidade se prepara...
Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
E quem vive sem caridade desconhece o encanto do mar que incessantemente acaricia a praia, num vai-e-vem constante...

Natal é fraternidade...
E a vida sem fraternidade é como um rio sem leito, uma noite sem luar, uma criança sem sorriso, uma estrela sem luz.
Mas o Natal também é união...
E a vida sem união é como um barco rachado, um pássaro de asas quebradas, um navegante perdido no oceano sem fim.
E, finalmente, o Natal é pura expressão do amor...
E a vida sem amor é desabilitada para a paz, porque em sua intimidade não sopra a brisa suave do amanhecer, nem se percebe o cenário multicolorido do crepúsculo.
Viver sem a paz é como navegar sem bússola em noite escura...
É desconhecer os caminhos que enaltecem a alma e dão sentido à vida.
Enfim, a vida sem amor...
Bem, a vida sem amor é mera ilusão.
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem pela Terra deu origem ao Natal...
Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita.
meu carinho
De

Sentimental ♥ disse...

seria muito bacana mesmo, até pq ele como CEO não fez tudo sozinho né?

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Façanha com estética é uma façanha e tanto...

Anônimo disse...

Sem ele a Apple não é nada. Quando esteve ausente a empresa quase faliu. A melhor frase do ano: As pessoas não sabem o que querm até mostrarmos a elas. Show

disse...

Eu tambem acho que se pensasse só em resultado financeiro, seria um ótimo CEO, mas não o melhor do mundo.
Certamente agrega na medida certa a importancia ao desenvolvimento humano, que traz a felicidade e o bem estar no ambiente de trabalho.
Sem isso nao não conseguiria o resultado que consegue.
Beijo.