Páginas

segunda-feira, setembro 27, 2010

Atividades perigosas

E não é que depois de haver pulado de paraquedas e haver saído ileso, tomo um tombo no palco durante uma palestra e quase arrebendo as costelas e o joelho !!!!!
No calor da apresentação, entusiasmado, me aproximei da tela para indicar um ponto de um gráfico e não percebi que o palco (uma plataforma) terminava antes da tela.
Enfiei o pé no buraco e colidí com a barra de ferro que dava suporte à tela.
Levei alguns segundos para entender o que havia acontecido, e mais alguns para voltar a respirar.
Me recompuz antes da maioria dos presentes haver se dado conta do incidente e retomei a apresentação, obviamente, com menor atenção da platéia que ainda estava em estado de choque.
Se o público fosse constituido por meus colegas brasileiros, provavelmente a gargalhada teria sido grande.
Como se tratava de representantes dos principais canais de televisão da América Latina, recebi olhares consternados e preocupados.
Ha males que vem para bem, já dizia minha avó ... pelo menos ninguém teve coragem de falar mal da apresentação ...

15 comentários:

V.Vegas disse...

Imagino a cena hilária, com este seu jeito meio hiperativo de ser... alguém filmou? Brincadeirinha! Espero que já esteja bem e recuperado do susto! Gostei de ter voltado aqui justamente hoje e ter sido a primeira a comentar sobre o perigo de convidar você para dar uma palestra - será que vale para outros eventos também?!?!?! Beijosssss

Anne M. Moor disse...

rsrsrsrsrsrsrs FF, consigo imaginar a cena!!!! NINGUÉM riu????

Estás bem? Tanto costelas qto joelhos sabem doer!!!

Take care, we care.
Bjos
Anne

Ti disse...

Querendo ser artista de comédia, né? Só não vale fazer drama...

Beijos

Pelos caminhos da vida. disse...

O importante é que vc está bem.

beijooo.

Sentimental ♥ disse...

ô dó, tá doendo?
putz, é um saco qndo isso acontece e o povo cái na gargalhada. ainda bem q sua platéia é educada e civilizada.
bjs e melhoras.

Ana Lúcia Porto disse...

Que situação... Não deixa de ser engraçada...

Tempestade disse...

Eu te compreendo!
Em um colóquio no RJ em 2008, o conferencista francês, quando terminou de falar, e arredou a cadeira pra tras, o tablado já tinha acabado. Resultado: francês e cadeira no chão.
Como a grande maioria da platéia era francesa, também ficaram é preocupados e não houve nenhuma risada.
Melhoras, querido amigo!
Beijos!

Luna disse...

lembrei de uma história assim, meu tio e meu pai cantando num barzinho - por hobbie - daí que um foi se encostar achando que era parede e era só um pano, e aproveitou a queda pra levar o outro junto. foi uma queda feia, uma Deus nos acuda, porém, não deixou de ser hilário,e o melhor foi que quando eles voltaram, eles cantaram uma música, que não haveria de ter uma melhor para o momento.

e já começaram pelo trecho:

"Pena de mim, não precisava
Ali onde eu chorei
Qualquer um chorava
Dar a volta por cima que eu dei
Quero ver quem dava
Um homem de moral não fica no chão
Nem quer que mulher
Venha lhe dar a mão
Reconhece a queda e não desanima
Levanta, sacode a poeira
Dá a volta por cima"

Lila disse...

Aiiii que judieira(rs)...espero que esteja reestabelecido...mas, conte-nos...morreu de rir depois, nénão? ! rs

Bjs meus

e daí? disse...

rir seria inevitavel...mas vc tá numa otima fase! Que bom q não passou de susto...bj

Vanessa Souza Moraes disse...

Eu não contenho o riso diante de uma boa queda. Das minhas também.

A. Marcos disse...

Pelo menos está tudo bem com vc.

Luna Sanchez disse...

Ninguém falaria mal da apresentação de qualquer forma, tenho certeza.

Machucou? Doeu?

Beijo.

ℓυηα

Mari disse...

Tô fazendo um carinho e enviando energias positivas!
Beijos querido

The Blues Is Alright disse...

Caí do topo do palco ao término de uma apresentação de teatro, quebrei o pé, e ninguém acreditou que eu tinha caído de verdade. Pior que as risadas "brasileiras", são os tapinhas nas costas de parabéns por algo que não deveria ter sido real, embora tenha só parecido real e ninguém ter acreditado naquilo. Triste.

Não sei porque comentei isso.

Beijo.