Páginas

quinta-feira, julho 28, 2011

A outra face

Uma passagem do evangelho de Mateus sugere que se alguém o atinge na face direita você deve dar a ele a outra face.
 O contexto é se contrapor à "lei de talião" - "olho por olho, dente por dente" - que prega que a punição deve corresponder em intensidade ao crime.
Curiosamente, acredita-se que esse princípio jurídico (a lei de talião) visava, justamente, evitar que abusos fossem cometidos por vingadores ou pelas autoridades. 
Em algum momento esse sentido perdeu-se e o código assumiu o caráter de "retaliação" (palavra que deriva da mesma raiz).

O princípio é muito antigo.  Existem registros datados de quase 1800 anos antes de Cristo.  Os romanos o denominavam de "lex talionis" (lex - lei, talis - idêntico): a punição deve ser igual ao crime.
Claro que, algumas vezes, é complicado estabelecer uma punição exatamente igual ao crime cometido.  Os romanos resolveram isso estabelecendo penas específicas para cada tipo de crime (Lei das Doze Tábuas), buscando dosar sua intensidade em função da gravidade.
Mais tarde os ingleses, com seu extraordinário tino financeiro, estabeleceram que parte das penalidades poderiam ser substituidas por pagamento em dinheiro.
Mas Mateus estava longe dessa discussão.  Preocupado com a salvação da humanidade e consciente de que o desejo de vingança costuma atrapalhar, indica, nas palavras de Jesus, que o agressor não deve ser confrontado ou retaliado, porque esse desejo pode trazer mais dano do que a agressão original.
Eu, que assumidamente estou longe de ser um "iluminado", não consigo concordar com a submissão ao agressor.
Mas procuro evitar o confronto quando desnecessário ou improdutivo.  Acho que a última vez em que devolvi uma fechada no trânsito tinha menos de 20 anos.
A melhor estratégia me parece sair de perto e deixar que o agressor arranje coisa melhor para fazer.
Mas sei que nem sempre é fácil evitar que o dinossauro que existe no outro desperte o dinossauro que existe em nós.
Namasté !

7 comentários:

Luna Sanchez disse...

Namasté = "O dinossauro que habita em mim saúda o dinossauro que habita em ti."

Rs

* O meu dinossauro interior é herbívoro, tenho a certeza.

Um beijo.

EU SOU NEGUINHA disse...

Tantra é tudo de bom...
Beijos

EU SOU NEGUINHA disse...

Concordo contigo...
As vezes é melhor deixar a coisa ir,né?
Namastê

Letícia disse...

Ignoro solenemente e sigo em frente!
Boa observação!
Beijos!

Carla P.S. disse...

O dinossauro se chama orgulho; minha tática é fazer amigos! Mais fácil amar quem nos ama. Think about it.

Beijos, e um café com grãos do sul de Minas! ;)

Taís disse...

Olha, provavelmente seja a melhor atitude, mas realmente não é a mais fácil, não...
Igual eu tenho por lema não deixar que o humor dos outros estrague o meu.
bj

Batom e poesias disse...

Sou de natureza pacífica e o Tiranossauro Rex que me habita hiberna a maior parte do tempo.
Mas ele é muuuuuito malvado!

:D

Tô com saudades
bjca

Rossana