Páginas

domingo, julho 31, 2011

Salvando o mundo

É impressionante o número de filmes do cinema norte-americano onde o herói salva o mundo no final.
Esse deve ser o medo fundamental dos grandes impérios.
E, de fato, o grande império do norte anda com problemas.  Dizem os analistas que o mês de agosto pode ser decisivo para o cenário.
Não vou entrar no mérito dos problemas e riscos da alavancagem da economia dos irmãos do norte.  Há um par de anos escrevi um artigo profético sobre a diminuição do hegemônico poder econômico dos EUA e do surgimento de potências setorizadas.
Obviamente, foi uma profecia otimista, pressupondo que os norte-americanos saibam lidar com essa redução de seu controle sobre o mundo sem rancores.
Estamos prestes a completar 100 anos sem grandes guerras no mundo ocidental.
De certa forma devemos isso aos inglêses que descobriram uma forma mais eficiente de ganhar dinheiro do que invadir e colonizar.
Fato é que estou convicto de que devemos essa relativa tranquilidade ao sistema econômico vigente.
Se ele entrar em colapso, é melhor começar a lubrificar a escopeta.

4 comentários:

Andre Fiker disse...

shit just got serious

Angélica Lins disse...

Então, acho que será em breve essa lubrificação.

Abraços!

(Encantada com sua escrita)

Luna Sanchez disse...

"Lubrificar a escopeta" é coisa pra outro gênero de filme, desconfio.

* Releva, Flavio, que hoje tô com o humor raso.

:p

Um beijo.

Dri Viaro disse...

Não aguento mais esses filmes assim. agora leio uma serie sobre o fim do mundo inspirada na bíblia, nada melhor...

beijos