Páginas

domingo, agosto 24, 2008

Posso falar ?

Divertidíssima a história que a Anne postou lá no Life Living.
Eu, que já estou batendo nos 50, sempre tenho a nítida impressão de que sou tomado como "inconveniente" porque não me presto muito às filigranas do discurso socialmente correto.
Curiosamente (ou não), costumo chocar os mais jovens - quem diria. Justamente os que deveriam estar aí para contestar.
Os que não se afastam por isso, podem experimentar a liberdade de expressão.
E não me refiro a falta de respeito, que isso é abuso da liberdade.
Abaixo o patrulhamento verbológico !

16 comentários:

A.Tapadinhas disse...

Sempre fui dizendo que gostava de ter a idade do meu avô porque ele fazia e dizia o que lhe apetecia, e ninguém ousava contestar. Agora, sinto que era uma desculpa - eu continuo o mesmo. Aos (quase) 50, Flavio, já está nessa: invejo-o!
Abraço.
António

Anne M. Moor disse...

É... Eu, embora sempre um tanto qto irreverente, realmente entrei nessa um pouco mais tarde. Agora, não me provoquem :-)

Ti disse...

Curioso ver o quanto o peso dos anos pode tornar a vida mais leve... Mas para isto, alguns tiveram na leveza dos anos, vivências pesadas de vida...

Udi disse...

Já dizia Nelson Rodrigues: "juventude tem cura, eu também já fui jovem"

abaixo a lógica também!

Jorge Lemos disse...

Já passei da idade? Não sei.
Continuo nessa desde a idade da razão. Ato divino a do contestador, aquele que não lubrifica a coluna com o óleo da subserviência, que usa das palavras como instrumento de defesa do seu universo, que defende a irreverência como instrumento da sua verdade,
que faz do seu mundo a mais
próximo do mundo alheio.
Boa Príncipe.
Tô nessa apoiando a Anne.

zuleica-poesia disse...

Gosto da sua liberdade de expressão. Admira-me que os mais novos façam críticas negativas, pelo que entendi. Sua maneira de escrever deveria agradar a todas as idades. Abraços.

Udi disse...

...e também tem uma outra do Picasso (não tenho certeza da fonte): "É preciso muito tempo para se tornar jovem".

(pela coleção de frases relacionadas ao assunto, podem notar que os 50 estão chegando prá mim também... bem antes que pro Flavio)

Érica disse...

Pois é... a gente passa a adolescência querendo quebrar as regras, quando por fim, ficamos adultos, donos dos nossos narizes e conseguimos então quebrá-las, caem sobre nós os olhares de reprovação, pois nós somos a geração que "tem que dar um jeito no mundo", aí resolvemos virar certinhos, fazer tudo direito e tal... Só que com o passar dos anos, descobrimos (just wondering...) que não éramos nada além de muito pretensiosos e começamos a chutar o balde de uma vez...
Minha hora vai chegar! rsrsrsr...

Érica disse...

lembrei de uma passagem de "A Casa dos Budas Ditosos":

"Meu avô materno era aristocrata, elegantíssimo, falava francês e alemão fluentemente, esteve várias vezes na Europa, era cultíssimo, mas, depois que passou de uma certa idade, peidava em público. Assisti a ele peidar na frente do interventor, na época do Estado Novo. O interventor tinha ido almoçar com ele e, depois do almoço, ficaram conversando na sala de estar, com meu avô volta e meia levantando os quartos e soltando vento aos trovões. Quando minha avó reclamava, ele dizia que o que está preso quer ser solto e todo mundo peidava, inclusive o interventor, então não era ele que, àquela altura da vida, ia arrolhar um peido. Quem quisesse que arrolhasse, mas ele não."

Glaura disse...

Lí um livro que dizia que era após os 40 que chegava essa tal de "incontinência verbal"!
Quanto a chutar o balde, lembrei de uma amiga advogada que consultada por uma mulher humilde, ouviu dela a pérola: "Se aquele barulho continuar, meu marido vai CHUPAR o pau da barraca!"
Ainda houve outra que, atormentada por um senhor, disse: " Aquele homem UZUCUNA minha cabeça!"
Todas pessoas próximas aos 50 que se valeram dessa possibilidade de serem incontinentes.
Viva o cinquentenário!

Luisa Fernanda disse...

Un placer que hables, porque aun eres y serás joven, la rebeldía, la intolerancia ante lo errado son inherentes a un alma como la tuya.

Habla mas y transformarás el mundo. Habla sin temor, que es preferible morir por las palabras del corazón que por una mente vieja.

Besos

Flavio Ferrari disse...

Tapadinhas: diria que a sua convivência com os blogs brasileiros vem contribuindo...
Anne: manda bala
Ti: essa questão de peso é posicional.
Udi: juventude é uma efeméride, o que é uma pena.
Jorge: não sei porque mas acho que você nunca teve esse problema.
Zuleica: minha mãe bem que costumava pegar no meu pé por conta disso.
Érica: por favor, só não comece a imitar o tal avô.
Glaura: pior que chupar o pau da barraca é soltar a pomba.
Luisa: honestamente, prefiro ficar vivo por enquanto.

Suzana disse...

IrreverÊncia?

O que é isso?

heheheheh

Ernesto Dias Jr. disse...

Acho a porra da incontinência verbal depois dos 50 de muito mau gosto. Já chega a urinária. Uma merda.

Glaura disse...

Ernesto,
a que é uma merda é a fecal, mas parece que uma nova entidade nosológica é sua causadora e tem cura com neuro-cirurgia!

Anônimo disse...

batendo nos 50 pelo lado de baixo ou pelo lado de cima?