Páginas

domingo, dezembro 28, 2008

Hybris (ou Hubris)

Escutei essa palavra pela primeira vez há alguns dias, numa reportagem "making off" do filme RockNRolla. O sujeito que comentava não sabia bem o que queria dizer. Relacionou-a com intensidade e disse que, de um modo ou de outro, "hybris" estava presente em todos os filmes e, mais intensamente, nesse.
Como a essa altura do campeonato é raro escutar uma palavra ou um conceito sobre o qual não tenha absolutamente nenhuma informação (e esse foi o caso), resolvi pesquisar.
Descobri que Hybris (ou Hubris) é uma palavra de origem grega.
Significa, primariamente, o arrebatamento por sentimentos que passam da medida, em particular o orgulho, a insolênica e a violência. É expressado pelo tratamento arrogante e pela humilhação, que fatalmente resultam em retribuição e, consequentemente, em tragédia (tão ao gosto do antigo teatro grego).
Os gregos antigos consideravam Hybris um crime, e o maior dos pecados.
Independentemente de qualquer juizo de valor, a verdade é que Hybris é uma constante nas relações masculinas, particularmente quando a inveja está presente.
É, realmente, muito dificil para um homem não reagir a esse tipo de manifestação, mesmo sabendo que a humilhação (ou tentativa de) é alimentada pela inveja.
O impulso para revidar é visceral e potencialmente destrutivo.
E, mesmo quando controlado, deixa marcas profundas.
Talvez seja o aspecto mais crítico da psique masculina.
Valeu a pena pesquisar.
Veio em boa hora para ajudar em um momento de introspecção.

6 comentários:

Anne M. Moor disse...

Não sei se entendi... Estás a te referir a homem(= espécie humana) ou homem (= diferente de mulher)?? Acho que entendi que em reação à inveja o homem tende a querer humilhar o outro????? É isso?

udi disse...

Eu diria que, nas mulheres, esse tal de hybris é disfarçado ou sutil... como disfarce e sutileza já dão uma "desintensificada" na coisa toda, deve ser por isso que você caracteriza como uma atitude masculina, né?
Mas isso dá no que pensar, hein?!

A.Tapadinhas disse...

Se alguém me chamasse hybris eu não saberia o que fazer mas, na dúvida, dava-lhe dois murros...
Abraço.
António

Carla P.S. disse...

Ah, gostei do significado, achei poético. E das poucas coisas que me orgulho (quando o assunto é origem, orgulho é muito perigoso), é da minha descendência, em parte, grega. Tudo grego, até as tragédias, soa a poesia e arte. Adorei o lirismo.
Mas que sirva de introspecção, não precisamos atuar sempre de forma tão...Real. Daí não seria teatro...
Enfim, um 2009 .. Visceral!!!!
E com paz, e luz também.
Ah,
se olhares minha última postagem tem referência a ti, apesar de não citares teu blog etc. (odeio essas burocracias), curti o conselho.
Grande beijo, forte abraço!

Ernesto Dias Jr. disse...

E eu, Tapadinhas, burro que sou, se me chamasse alguém de hubris eu retrucaria no ato: Teta de vaca é a mãe!
E lhe dava uma porrada, claro.

disse...

Oba! Os momentos reflexivos dessa cabeça(que não são poucos),sempre resultam em questoes brilhantes e instigantes....
Beijo.
ET:
Burro vc Ernesto? sei sei, anrran....
Saudade, beijo.