Páginas

quarta-feira, dezembro 10, 2008

ZEN

Admiro que consegue manter seu equilíbrio emocional nesse mundo louco.
Tudo tão rápido, tão intenso, tão estúpido e sem sentido.
Bilhões de pessoas ocupando a maior parte do seu tempo em atividades cujo principal objetivo é sustentar a própria existência.
E, claro, vivendo um pouco quando sobra tempo.
Quando fcam velhas, recebem o direito de aproveitar seu tempo, mas geralmente não tem saúde para tanto.
Mas há quem consiga superar tudo isso, aproveitar os intervalos e viver muito bem, a maior parte do tempo.
Sem fingir, sem mentir para si, sem subterfúgios.
Apenas vivendo, sem maiores complicações.
Zen.

9 comentários:

Érica Martinez disse...

ioga, meu bem, na VEIA!!

Fernanda disse...

Acho que, mais que qualquer outra coisa, é você se conhecer: saber o que te faz feliz e, o mais importante, o que te faz infeliz. Quando você consegue deixar a sua vida com menos coisas que te incomodam - ainda que isso vá contra os padrões da sociedade, sucesso, status, etc (é realmente necessário passar por cima de tudo isso, estar bem resolvido) - você consegue estar zen. Aí, de uma certa forma, você já deixou de fazer parte do mundo louco...

Udi disse...

E ainda há os que - tendo assumido postos de liderança - zelam também pelo bem-estar de todo um coletivo.
Zen-ladores coletivos.

Anne M. Moor disse...

Ai Flávio como concordo contigo...

Ti disse...

É o que costumo desejar para as pessoas que muito gosto...

Que esteja feliz o número maior de vezes possível!!!

Denise Fernandes disse...

Segundo o Haja Ioga, "Pessoas serenas sempre parecem ser sábias. Internamente elas responderam as três perguntas existenciais: (1) Quem sou eu? (2) Para onde estou indo? (3) Como eu chegarei lá? A maior parte de nossas vidas tentamos resolver a primeira questão. Porém, até que a gente consiga isso, gastamos muito tempo em conflito interno, com outros ou com o mundo ao nosso redor. Quando descobrimos quem realmente somos, então não é preciso ir a lugar algum, não há nenhuma busca e a alma se torna absorta ao experimentar suas qualidades verdadeiras e ao compartilhá-las com os outros.Isto é serenidade"
Fácil, né?...rs
Bjs

Flavio Ferrari disse...

Érica: na veia ou na véia ?
Fernanda: o problema é que antes de descobrir o que nos faz feliz, aprendemos o que faz felizes nossos pais, e seguimos tentando agradar o mundo ...
Udi: será ?
Anne: não me surpreende.
Ti: falou quem conhece a receita.
Denise: que bom tê-la de volta por aqui ...anda pensando na vida, né ?

Suzana disse...

Já tomando vitaminas!!!!

Udi disse...

como uma aspirante a yogini eu diria: na veia da véia (hehehe!).