Páginas

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Corajosos anônimos (um manifesto)

Nesses pouco mais de três anos de vida, o Arguta Café recebeu apenas dois comentários de anônimos (fora as mancadas iniciais dos amigos que não sabiam como se identificar).
O primeiro fez acusações e ameaças, chamando-me explicitamente de covarde. O segundo, só acusações, sem ameaças, e desafiou-me a ter “coragem” de publicar o comentário.
É no mínimo curioso alguém que comenta anonimamente cobrar coragem.
O primeiro (eu sabia de quem se tratava) queria me agredir justamente porque eu havia me colocado como um obstáculo a um seu ato de covardia. Estava coberto de razões para manter-se incógnito.
Quanto ao segundo, não tenho idéia de quem seja e nem de qual de suas neuroses andei cutucando.
Fato é que o Arguta vem se mantendo um espaço de livre opinião. Não implementei nenhum dos mecanismos de restrição de acesso ou de filtro de comentários. Até o momento, nunca censurei qualquer comentário.
Uma única vez em toda a história do blog encontrei-me diante de um dilema. Havia feito uma postagem sobre um momento difícil da vida de um de meus filhos e uma amiga fez um comentário muito duro, em minha opinião totalmente descabido, que poderia magoá-lo.
Depois de muito pensar resolvi apagar a postagem e os comentários, e tomei a decisão de não mais postar assuntos que pudessem, de alguma maneira, expor outras pessoas queridas.
Não encarei como um ato de censura. Foi uma revisão de conceito, fruto do “amadurecimento” como blogueiro. Mas entendo que alguém possa considerar como censura.
Pretendo manter o Arguta assim. Livre e aberto para receber velhos amigos, amigos novos, curiosos e, eventualmente, desafetos (que, por sorte, tem sido raros).
Assim como pretendo seguir expressando-me com liberdade ciente de que, com bem dizia a minha avó, “às vezes quem diz o que quer, escuta o que não quer”.

27 comentários:

Suzana disse...

Uau!
Por aqui são 00:16hs e passei para "desaluviar" ou "desanuviar" as ideias e dou de cara com uma bronca?!
Seja lá pra quem for:

É isso ai F.F.!
O Arguta já tomou lugar em nossas vidas e quem não gostar não passe por aqui.

E tá falado.

bjs

Suzana disse...

Em tempo,

Essa foto esta o máximo.

bjs

Luisa Fernanda disse...

Meu caro,

Esto que estás sintiendo, ya pasó por mi blog hace poco mas de un año. Por tanto ya fui y regresé.

Al contrario de lo que escribes, en tu deseo por continuar escribiendo, yo me encerré entre mi teclado y mi pantalla, guardando mis pensamientos para mi.

Mas no puedo mas, odio la desvirtualización de lo virtual, odio de quien de la intimidad hace falta de respeto, de a quien se le otorga y abusa, porque amo simplemente conquistar el mundo por las preguntas, no entiendo ni quiero entender a quien arrebata sin comprender, al pirata, al bucanero, mas el mundo está conformado por todos los tipos, quizás eso sea la semilla de la evolución.

Reinventemos nuestros blogs, mas, en lo profundo, reinventemos el discurso que deseamos que esté en él.

Hoy caí en tu blog casi por "Efecto Borboleta".Ayúdame a salir de mi teclado.

Besos

Flavio Ferrari disse...

Suzana: não foi exatamente uma bronca, foi uma manifestação. A constatação curiosa de que as pessoas costumam julgar os outros a partir de si mesmo.

Flavio Ferrari disse...

ah... a foto é de minha propria sombra na parede da sala ...

Flavio Ferrari disse...

Luisa: valeu a postagem para trazê-la de volta à aldeia ...

Érica Martinez disse...

Acredito que quem quer que tenha feito algo que lhe "agredisse" é porque de fato não conhece sequer um ml da sua essência, se conhecesse, decerto não o faria.

De mais a mais, também aprendi que algumas coisas devem permanecer impublicáveis pelo bem da nossa própria saúde, ainda que em detrimento da popularidade do blog. Pode ser censura, mas optar por isso também é preservar a liberdade.

Beeeijo!

PS: e manda falar comigo que eu faço boxe! rsrsrsr

Anne M. Moor disse...

Flávio,
A liberdade de expressão é algo de que não abro mão. Aqui nos blogs, pelo menos os nossos blogs, a expressão é uma manifestação ou uma extensão de quem somos e existe por que amamos ler e escrever. Eu, pessoalmente, também considero que 'me' escrever é uma terapia que me ajuda a entender quem sou e como cheguei aqui. Quem não gostar do nosso 'jeito' não precisa ler ou pode contestar - o debate é livre e bem vindo.

Beijo grande

A. Marcos disse...

Eu detesto postagens anônimas. Liberdade de expressão implica, como qualquer outra liberdade em responsabilidade. Como responsabilizar alguém que nõ mostra a cara? Por isso nossa lei considera ilícito o anonimato quando do uso dessa liberdade.

Udi disse...

Vixi! acho que vou "desativar" a Bete...

alguém que TEM que postar um comentário mas não consegue se indentificar... ôôô tadinho! prisioneiro de si próprio.

Anônimo disse...

Este blog é uma bosta. Falta um pouco de... assertividade, acho.

Amanda Arthur disse...

Putz! Fiquei surpresa com o post...
Mais ainda com o post do anônimo anterior. As coisas andam quentes por aqui, não?!
Beijos, saudades...

Carla P.S. disse...

Sabe que eu até gosto quando comentam anonimamente no meu blog? Tudo bem que nunca me xingaram (mas geralmente tem a primeira vez), mas eu acho que é uma pessoa que quer dizer coisas bonitas mas não teve outra oportunidade, senão se mascarando. No fundo a alma reconhece, recebe os doces eflúvios e manda de volta. Que nem sonho bom.
E mesmo quando falam mal, essa pessoa teve que ocupar-se, vestir-se, fantasiar-se, organizar idéias e mandar. Quase com um zelo de mãe!
hehehehe..Aceite-os, explique-se o quanto quiser ou puder, e quando não quiser, mande um até-breve, sem perder o bom-humor.
E,ah, obrigada pelas sábias palavras aquele dia. As coisas estão melhorando, aos poucos, como tem que ser..
Beijos, e um café, expresso.

A. Marcos disse...

Eu ainda penso que postagens anônimas, sobretudo agressivas, escondem - mesmo - a caricata figura de alguém vergonhosamente covarde e recalcado. Afinal, por que esconder a cara quando se entende estar simplesmente exercendo o legítimo direito de ampla manifestação do pensamento sem ofensas e com urbanidade?

Tecnenfermaginando disse...

perfeitamente correto

teresa

Flavio Ferrari disse...

Érica: você é mesmo uma gracinha.
Mas a melhor coisa a fazer com os ignorantes é ignorar.

Flavio Ferrari disse...

Anne: falou e disse (lembra dessa ?)

Flavio Ferrari disse...

Marcos: está se caracterizando um verdadeiro trikster.

Flavio Ferrari disse...

Udibete: deixe a Bete que promete ...

Flavio Ferrari disse...

Um abraço arguto para o anônimo assertivo.

Flavio Ferrari disse...

Amanda: que bom que você voltou... mas anda menos atenta ... veja que o anônimo acima cobrou assertividade ...

Flavio Ferrari disse...

Carla: se ajudou, fico muito feliz.

Flavio Ferrari disse...

Marcos: aos anônimos, o anonimato.

Flavio Ferrari disse...

Teresa: redondamente redundante.

Anne M. Moor disse...

Lembro simmmmmmmm :-)

jorgelemos disse...

Principe amigo:

Como dizem nosso irmão lá do Nordeste, "Não se aveche!"
Os que escondem atraz do anonimato
não passam de criaturas enrustidas e insatisfeitas. Sofrem de "ananismo" moral e incapazes
de se mostrarem com dignidade.
Odeio estes tipos que se dizem humanos.

Gostaria de lemnrar a frase de
Voltaire: "Posso não concordar com o que dizeis, mas defenderei até a hora da morte o direito de dize-lo". Concordo plenamente com seu desabafo. As vezes tambem sou vitima quando escrevo certas coisas em minha coluna no jornal.

Amanda Arthur disse...

Até vi, Flávio. Mas, imaginei que o cara quisesse bater em dois coelhos com uma paulada só...