Páginas

quarta-feira, maio 19, 2010

É o fim

Inspirado pela postagem do Marcos lá no "A hora do flush" sobre casamentos que acabam, resolvi falar um pouco sobre o assunto.
Muita gente se pergunta porque um casamento acaba e como podemos saber que, de fato, acabou.
Ninguém "de fora" pode saber exatamente um relacionamento acaba. As vezes nem mesmo quem está "dentro" sabe.
De conversas, observações e experiência própria, vejo que existem algumas razões recorrentes.
A primeira e mais comum é o que chamaria de "erro de pessoa", que se caracteriza quando descobrimos que a pessoa com quem casamos não é como (ou quem) pensávamos que era.
A segunda é que as pessoas mudam com o tempo, e suas neuroses, antes complementares, passam a originar atritos que desgastam a relação.
A terceira, mais rara do que se pensa quando não associada a uma das duas primeiras, é o acontecimento de uma outra pessoa para um dos parceiros.
A quarta, e talvez mais cruel de todas, é a incapacidade do casal de superar uma crise pessoal, de um ou de outro.
E as outras razões que tive a chance de conhecer são muito específicas e estatisticamente pouco significativas.
Saber quando acabou, na minha opinião, é mais fácil.
Creio que um relacionamento acaba quando pelo menos um dos parceiros decide, com clareza e segurança, que não quer mais continuar casado.
Querer casar ou continuar casado não é uma decisão simples. Decidir terminar uma relação, posso dizer por experiência própria, é ainda mais complicado.
Mas o que sempre me espanta é o que acontece depois que um relacionamento termina.
Reconheço que o fim de um relacionamento longo e importante é um dos maiores traumas que podemos viver. Um relacionamento que termina é quase sempre percebido como o fim de uma história e a morte dos sonhos, e sentido como uma enorme perda.
Entretanto, é dificil entender como é que pessoas que partilharam, com amor, boa parte de suas vidas, passam a trocar agressões das mais diversas naturezas.
Mulheres que esquecendo seu discurso histórico de emancipação e independência, se sentem no direito (ou dever) de tirar tudo o que puderem de seus ex-maridos, seja como punição, seja sob a desculpa de que estão "protegendo" seus filhos da próxima aproveitadora...
Homens que infernizam a vida de suas ex-esposas das formas mais pitorescas e deprimentes, muitas vezes chegando à agressão física.
E os filhos, pobres filhos, raramente são poupados do papel de armas nas mãos dos ex-pais.
Admiro as poucas exceções que conheci.

37 comentários:

Nanda Assis disse...

hii dificil esse assunto nem gosto de pensar sabe, que vem meu passado a tona.

bjosss...


______.-“*”-.,.-“*”-.________
__(“)=l___O.,.O___l=(“)____
______”.___u___.”_________
________(“”).(“”)__________
________Te Adoro_________
________________________

Annah disse...

Olha só, que assunto bom, pra esfriar a cabeça depois de uma lavada que meu time acabou de ganhar (grêmio).
Mas enfim, vou comentar de metida pq não tenho a menor idéia do assunto.
Meus pais nunca se casaram, foi tipo:
Vamo ali fazer a Ana Paula(3 meses de pega).
e até hoje meu pai é solteiro e minha mãe casou-se mas não sei muito da relação dela.Ah o que vejo é aquela vidinha, não,vejo vida de casado.
Taí uma coisa que não me atrai, nunca me atraiu e não vejo muita lógica, mas sei que existe.
O que me dizem, (me corrija se eu estiver errada)que a melhor parte e os momentos mais felizes de um casamento é super possível viver dentro de um super namoro.
Mas, cada um com suas escolhas... talvés um dia eu pense diferente, mas desde quando eu brincava de boneca odiava brincar de casamento hahahahah

Marcelo Mayer disse...

ou seja, melhor ficar fora dessa. pra que somar se depois tem que dividir?

Taís disse...

É, de fato o que acaba o casamento é a clareza, pura e simples de que se ficaria melhor sozinha do que acompanhada.
Minha experiência foi pacifica. Niguém tentou esfolar ninguém.
Mas há uns dias tive um grande choque realmente com um casal de amigos que estava se separando (eram casados há 15 anos). O marido matou a esposa e depois suicidou-se. Casal muito gente boa, pessoas inteligentes, calmas e sei lá... algo que ninguém consegue entender até agora.
Literalmente o fim de uma história e a morte dos sonhos.

Annah disse...

Mas como diz minha abuelita:
Casamento é um buraco que Quem táh fora quer entrar e quem táh dentro quer sair...
óh aí a prova disso:


http://praladedubai.blogspot.com/2010/05/bye-bye-dubai.html#comments

Sentimental ♥ disse...

e eu agradeço por viver no mundo das exceções... conheço vááários ex-casais e todos são amigos, convivem juntos com as novas famílias e algumas até são madrinhas e padrinhos do novos filhos, com direito a almoço de domingo e festas de aniversário.

tenho um amigo q diz q nós vivemos no mundo da lua... mas não é, é q são pessoas civilizadas e q perceberam q o q acabou foi a condição de viver como casal e não como amigos q construíram alguma coisa juntos e q por coincidência, tem filhos! rs

não precisa perder o respeito qndo há separação.

bjs

Sentimental ♥ disse...

ah, e quanto a famosa PA eu te confesso uma coisa: dispenso!!!

Vanessa Souza Moraes disse...

A primeira e mais comum é o que chamaria de "erro de pessoa", que se caracteriza quando descobrimos que a pessoa com quem casamos não é como (ou quem) pensávamos que era.

Há quem chame de incompatibilidade de gênios...

Anne M. Moor disse...

É difícil achar uma separação civilizada. Uma das coisas que também me espanta (pois concordo com as que listastes) é que ao terminar uma relação longa, curta ou curtíssima as pessoas acham estranho que se pode manter uma amizade... Por que? Se realmente havia uma amizade, por que não pode continuar?

Só não concordo com os "ex-pais". Os pais continuam sendo pais e mães...

Beijos
Anne

Denise disse...

Dificil,porem possivel,terminar o casamento,sem terminar a amizade.

Acho que qdo se prioriza o bem estar dos filhos ,alem de lembrar que o que uniu foi um dia amor e admiração,não cabe espaço para tanta amargura e raiva.

Ufa que eu consegui,junto com meu ex marido,(pai dos meus dois filhos) e um grande amigo,manter respeito e amizade.

Quem vê acha graça,almoços onde a esposa e enteada dele,riem na mesa da minha casa,juntos com meus familiares.Isso sem falar nos feriados juntos .
No fim...
é tudo amigo

Mel dupla personalidade disse...

Esse assunto é tremendamente delicado, mas que deve ser debatido mesmo, assim as pessoas podem ter diversas versões e opniões sobre o mesmo fato.
Eu já passei por isso, há 07 anos e confesso: nunca me recuperei totalmente do baque!
Assuntos mau acabados, mágoa, dor, raiva, perdão ... tantos sentimentos se misturam que vc nem imagina!
Mas com certeza, sempre é um sofrimento, ainda mais se existe filho(s) no meio.
Claro que tem gente que sofre mais, outros menos, mas respeito e quero que respeitem meu modo de sentir isso.
Depois de um tempo fica um gosto amargo na boca do "Porquê?" ... " E se" ...
Melhor mesmo pensar que há males que vem pra bem!
Ou ainda, não parar para pensar.
Eu, geralmente qdo sinto esses pensamentos vindo a tona já penso logo: "Não vou pensar nisso!!!!!"
Fazer o que?
Bjusssss

B. 7 disse...

são as tristes voltas que a vida dá...
as vezes é melhor pra um, pra outro, pros dois... massss não deixa de ser triste.
enfim...
não me desejo isso, mas não sabemos o dia de amanhã certo?
abraçoo

♥♥NaNnA BeZeRrA♥♥ disse...

Flávio,
o que temos visto é só barbárie!!!
gente completamente sem noção do que a palavra "AMOR" significa.
Não sei pq institucionalizaram a aliança como sinal de união entre um casal. Essa liança virou algema para muitos...e qdo tentam fujir dessa situação são penalizados pela violência, que vemos todos os dias nos meios de informação, ou precisam permanecer engessados em seus desejos por medo ou piedade.
É uma corda bamba...
E eu digo mesmo: NUNCA MAIS QUERO EXPERIMENTAR DESSA FORMA DE VIVER!

Beijão e parabéns pelo tópico!

Luna Sanchez disse...

Outra coisa triste é acreditar que "não deu certo". Sou contra essa ideia, claro que deu certo, e durou o tempo que deveria durar.

Dizer que uma relação de alguns anos foi um fracasso é, na minha opinião, tornar medíocre a própria vida.

Beijo.

ℓυηα

Anne M. Moor disse...

Luna

Voltei para concordar contigo. Nada é "para sempre". E temos que trabalhar para que qualquer relação seja boa e gostosa enquanto dure o amor... Isso é vida!

Bjos
Anne

Flavio Ferrari disse...

Nanda e Mel: é melhor pensar, elaborar e se livrar do problema.

Flavio Ferrari disse...

Annah: se você pretende ter filhos, casar é o melhor modelo. Se não pretende, concordo com você.

Flavio Ferrari disse...

Marcelo: fiquei dentro por 24 anos e não tenho reclamações. Estou fora há 4 anos e também não tenho reclamações. Só não gostei da transição.

Flavio Ferrari disse...

Tais: putz, também não precisava exagerar ...

Flavio Ferrari disse...

Ju: talvez você seja a exceção

Flavio Ferrari disse...

Vanessa: ou fim da "projeção".

Flavio Ferrari disse...

Anne: sempre perspicaz ... chamei de ex-pais porque deixam de agir como pais.

Flavio Ferrari disse...

Denise: acontece, mas é raro.

Flavio Ferrari disse...

Bruna: não se desejar já é 50% da solução.

Flavio Ferrari disse...

Nanna: não seja tão radical ...

Flavio Ferrari disse...

Luna: já me perguntaram isso depois de 24 anos de casamento, acredita ?

Isadora disse...

Flávio muito interessante as colocações.
De fato um relacionamento como um casamento quando chega ao fim é doloroso mesmo para quer o quer. Imaginemos para quem não quer.
Acrescento um ponto, pode acontecer de o casamento acabar e uma das partes não perceber, pois o parceiro não demonstra a sua insatisfação. E calado fica até o moemnto em que não suporta mais.
Concordo que o pior de tudo são as acusações e agressões que acontecem posteriormente, porém acredito que com o tempo e com uma dose de boa vontade tudo se acerta.
Eu, felizmente, posso dizer que adoro meu ex-marido e que acima de tudo, ele é um grande amigo. Acho que sou uma das poucas.
Um beijo

Isadora disse...

Não tinha visto o comentário da Sentimental! Então fico muito feliz de ver que muitos outros casais sobrevivem a separação e tornam-se grandes amigos.

Sentimental ♥ disse...

será? :)

Mari disse...

Flavio...
Tudo que você disse aqui é vero meu querido...
Mas o mais triste são aquelas pessoas que continuam juntas porque preferem não enfrentar todas essas coisas de frente!
Beijos

Juan Moravagine Carneiro disse...

Nem sei o que comentar...

abraço

Suzana disse...

A minha separação aconteceu sem brigas,sem ameaças e somos amigos até hoje.
Como você disse,caso raro.E ele me diz que sou uma exceção. E olhe que ele já esta na quinta esposa!
rsrsrsr
bjs

Walmir Lima disse...

Êpa, Flávio

Se você me pedisse para escolher uma entre as 4 (quatro) razões recorrentes que você apontou como as prováveis e mais comuns para explicar o fim do casamento, eu apontaria a de número 5: "Todas as Anteriores".

Luna Sanchez disse...

Putz! =\

Barbarella disse...

os sonhos viram pesadelos...rs
Terrivel né....
Não gosto nem de pensar!
baccio...

Annah disse...

Me lembrei deste post hoje, e do seu salto de paraquedas, lendo Vinícius:


Soneto da separação


De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.


De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.


Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Vinícius de Moraes

Érica Martinez disse...

acho que esse é um dos dramas que evitam (ainda que inconscientemente) a minha entrega à um casamento. penso no começo e no fim, nunca no meio, que é a parte que interessa...
tragédia.