Páginas

quinta-feira, julho 01, 2010

Mulheres, fadas e musas


A Rossana, do Batom e Poesias, pediu-me que explicasse a diferença entre Fadas e Musas.
Resgatei uma postagem que havia feito aqui no Arguta em fevereiro de 2007...

Fadas e Musas são duas importantes entidades do imaginário (?) colettivo e é comum o uso indiscriminado das duas denominações para fazer referências a mulheres belas, interessantes ou relevantes por alguma razão.
Mas fato é que Fadas e Musas tem origens e papeis muito diferentes.
Fadas são elementais, seres mágicos da natureza, associadas aos bosques e florestas, com suas flores e fontes. Estão referenciadas em praticamente todas as culturas. São festivas, portadoras de boas notícias, carinhosas, afetivas e utilizam seus poderes mágicos para provocar interferências que modificam o mundo em favor de seus protegidos. O adjetivo “feérico”, que hoje tem o sentido de deslumbrante, teve como origem a palavra francesa “féerique” – relativo ao mundo das fadas (fée). Elas foram representadas de diversas formas ao longo dos séculos, mas a referência atual mais comum (pequenas, lindas e sensuais mulheres, dotadas de asas e com vestidos esvoaçantes e semi-transparentes) corresponde aos primeiros registros históricos das suas ancestrais "Lasas" etruscas, em 600 a.c. (fonte: www.rosanevolpatto.trd.br/fadas.html).
Já as Musas tem sua origem claramente definida na Grécia antiga e foram, segundo os poetas gregos, criadas pelos Deuses para inspirar a arte entre os mortais. Hesíodo foi o primeiro poeta grego a nominá-las e descreve-las, curiosamente na mesma época em que os Etruscos descreviam suas Lasas (VII a.c.). – fonte: http://clio.rediris.es/clionet/fichas/ant_musas.htm .
Há, portanto, uma grande diferença entre Fadas e Musas. Enquanto as primeiras são agentes da felicidade de seus protegidos, com os quais desenvolvem uma relação afetiva, as segundas inspiram suas obras, sem interferência direta ou relacionamentos pessoais. Umas se apaixonam, e tem por objeto a pessoa. Outras inspiram a paixão, desapaixonadamente, e tem por objeto a arte.
Fadas podem atuar como Musas, inspirando seus protegidos. E aí serão musas exclusivas.
Musas nunca serão fadas. Não tem poderes nem vocação para isso.
O artista pode evocar sua Musa, mas precisa merecer sua Fada, sendo escolhido por ela ou, em descobrindo-a, lutando para conquista-la.

A postagem de 2007 terminava aí.
Minha interpretação pessoal é a de que as Fadas e Musas representam para os homens a qualidade da relação que desejam ter com as mulheres ou a tradução de suas emoções no momento da paixão.
Um homem que se sente inspirado pela mulher que ama, particularmente no momento em que ainda não a conquistou mas sente que, de alguma forma, pode ser correspondido, a vê como uma Musa.
Um homem que acaba de conquistar (ou ser conquistado) por uma mulher carinhosa e cuidadora a vê como Fada.
Todas as mulheres são, potencialmente, Musas e Fadas.  Mas cabe ao homem provocar sua manifestação.

13 comentários:

Única e Exclusiva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana SS disse...

Flavio (sobre o post do devaneio da Clarice), entendo que sempre que queremos dizer uma coisa, dizemos outra, e aí precisamos explicar um pouco mais, e melhor, e a coisa que você quer dizer vai escapando da tua boca... E é por isso que falamos/escrevemos tanto, porque "aquilo que queremos dizer" sempre escapa. Se se consegue dizer exatamente aquilo que se quis dizer, então, o encanto de falar ou de escrever acaba, esgota. Já não se precisa mais dizer nada...Rs...essa é a minha interpretação desse devaneio doido da Clarice!

Gostei da tua diferenciação entre fada e musa.

Anne M. Moor disse...

Sempre gostei deste teu texto...

bjos
Anne

Batom e poesias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Batom e poesias disse...

Flávio
Eu adorei sua generosa explicação.
Agora que eu entendi, descobri que sou as duas. :D

Devia acrescentar a definição de "Diva" e "Deusa" também.
Preciso me situar... rss

Grata, querido.
Bjcas

e daí? disse...

"Todas as mulheres são, potencialmente, Musas e Fadas. Mas cabe ao homem provocar sua manifestação." eu diria, q bom seria q todos os homens tivessem essa (ou alguma!] percepção...
bj, otimo findi!

gabyshiffer disse...

Muito legal seu blog
vou te add
Parabéns
Bjos

Luna Sanchez disse...

Eu simpatizo com a ideia das fadas, do vínculo de carinho, atração e cuidado, da fluidez, da graça, do colorido.

* E tem, também, a tal coisa da "terceira via". Rs

Beijo.

ℓυηα

Insana disse...

Ja falei sobre a magia.
acredito nas fadas acredito no acrditar da luz.

bjs
Insana

Sentimental ♥ disse...

gosto das tuas definições.

Ana SS disse...

Se uma mulher faz um barraco, pode ter certeza de que foi o homem que trouxe a favela.


Carpinejar.


http://significantess.blogspot.com/2010/06/se-uma-mulher-faz-um-barraco.html

Anônimo disse...

Mas a pedido da mulher, Ana SS, que ele traz a favala. A mulher é quem comanda o show.
Marcelo Borel

Paulinha Costa disse...

Flavio, adorei o post! E isso também vale para os homens. As mulheres também devem saber que podem despertar em um homem estas manifestações.
Acredito que as pessoas são como reagentes químicos, podem despertar um no outro o seu melhor ou o seu pior. Eu adoraria despertar um elfo em um homem e fazer dele meu "muso". Não encontrei o correspondente masculino para musa, que injustiça! Bjs