Páginas

quinta-feira, agosto 24, 2006

BLINK – A decisão num piscar de olhos

Estou terminando de ler o livro em epígrafe, recomendado por uma inteligente amiga.
O tema central é o resgate das primeiras impressões, ou do que chamamos coloquialmente de “intuição”.
O autor, Malcom Gladwell, ilustra com riqueza de detalhes e suporta com miríades de estudos acadêmicos, científicos ou similares, a tese de que a “intuição” é uma espécie de raciocínio inconsciente e que, portanto, deve ser levada a sério.
Tenho particular apreço por autores que dedicam tempo e esforço para comprovar teorias nas quais eu já acreditava por experiência própria. E esse é um caso.
Apesar da minha formação acadêmica básica como engenheiro, sempre valorizei a intuição e pautei boa parte de minhas decisões por ela, algumas vezes contrariando o que minha razão (consciente) recomendava.
Obviamente, inúmeras vezes também já fiz o contrário, ou seja, descartei a intuição e segui os princípios da razão.
Essa parceria, razão e intuição, vem funcionando bem no meu caso. E nas poucas vezes que houve um conflito entre elas, errei mais quando privilegiei a razão do que quando dei ouvidos à intuição.
Sempre acreditei que minha intuição nada mais era do que uma avaliação baseada em conhecimentos armazenados e percepções sutis, dos quais não estava consciente no momento.
Amigos e companheiros de trabalho se surpreendem, com alguma freqüência, com a precisão com que avalio pessoas num primeiro contato.
Recentemente um colega contratou uma pessoa na empresa. Como temos uma excelente relação (considero-o um amigo), tomei a liberdade de alertá-lo para o fato de que a pessoa que ele havia contratado, a despeito de todas as avaliações positivas, iria lhe trazer problemas.
Alguns meses depois minhas suspeitas se concretizaram.
Meu amigo, estupefato, perguntou-me como eu poderia saber.
Eu não sei como explicar ... mas alguma coisa no jeito da pessoa me indicou que ela era muito ambiciosa, não trabalharia em equipe e tentaria passar por cima do seu superior imediato, o que, de fato, aconteceu.
Gladwell dedica alguns capítulos do seu livro tratando exatamente desse assunto, a primeira impressão sobre pessoas. Apresenta alguns estudos bastante interessantes sobre como as expressões do rosto são uma espécie de “espelho” do pensamento, e sobre a habilidade que algumas pessoas tem (e eu devo ser uma delas) de fazer a leitura rápida dessas expressões. Embora a linguagem não verbal já tenha sido objeto de inúmeros estudos e publicações, o contexto em que Gladwell aborda o tema é bastante interessante e, de certo modo inovador.
Recomendo a leitura.
Deixo para outro post a abordagem sobre o impacto negativo do excesso de informação para o processo de decisão, também abordado em Blink.

8 comentários:

Ti Bell disse...

É por isso que acredito nas atitudes mais do que nas palavras...Para fazer algo, não precisamos pensar... podemos simplesmente seguir o instinto.. Para falar, buscamos palavras que possam traduzir o sentimento e, quando menos percebemos, já estamos falando algo diferente do que intuímos!!! Talvez a nossa rica lingua mãe colabore ainda mais para isto....

Flavio Ferrari disse...

Tai, sininho ...
Eu sempre achei isso mas nunca encontrei palavras para dizer ...

udi disse...

taí o velho e bom FF que conheci e ainda posso reconhecer!

saudades de você.

* e essa fada aí acima é mesmo sábia!

Flavio Ferrari disse...

Olá, Udi !!!
Faz tempo que você não visita o Arguta ...
Bom ver você de volta.
Uma emoção que não dá para traduzir em palavras ...

alberto a v alves disse...

Eu também acredito na chamada "intuição" e concordo que deveriamos ter mais atenção para com ela. Utilizar-se deste instrumento, além daqueles tradicionais e consagrados, como se fosse mais um pilar que sustenta a tomada de decisão.
Vou procurar e aproveitar desta sua dica de leitura.
Um grande abraço.

Ernesto Dias Jr. disse...

Outro dia recomendei um livro a alguém num blog, não sei, por isso esta postagem pode ter cheiro de déjavu. Mas aí vai.
Recentemente fez-se um filme chamada What the Bleep Do We Know!?baseado numa idéia de Amit Goswami. Talvez você tenha visto.
Amit é um físico de verdade, e respeitado. Leciona no Instituto de Física Teórica da Universodade do Oregon.
Para não espichar muito, o resumo da ópera é o seguinte: Amit aplica o conceito quântico ao funcionamento do cérebro, nuam especulação que, se confirmada, explicaria não só a intuição, mas também o velho dilema do livre árbítrio. Sendo nosso cérebro uma máquina quântica (obedecendo rigorosamente às suas leis), resulta que TODAS as possíveis idéias e linhas de pensamento já existem a priori no processo. Mas apenas uma se manifesta, numa analogia com o colapso da função de onda e com o princípio da incerteza de Heisenberg.
Parece complicado? Não é. O livro chama-se O Universo Auto-consciente (eu sei, é ridículo e parece auto-ajuda xumbrega). Mas trata do tema que você menciona, e é, de longe, o melhor livro de física moderna para leigos que conheço. Acho que anda esgotado, mas tenho um exemplar alhures que posso emprestar se você quiser.
Um abração.

Flavio Ferrari disse...

Agradeço o potencial empréstimo, interessadíssimo ...

Unknown disse...

網頁設計 網路行銷 關鍵字廣告 關鍵字行銷 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ