Páginas

segunda-feira, junho 30, 2008

Rebeldia elefantíaca

(imagem gallery.photo.net)

Uma interessante materia na revista Superinteressante de Junho/2008, tratando sobre a escolha de líderes no reino animal, conta a história de elefantes rebeldes que estão se portando como adolescentes rebeldes na África.
Estupram rinocerontes fêmeas, destroem aldeias e plantações, matam pessoas.
A explicação mais provável é a destruição do ecossistema clássico dos elefantes que resultou numa mudança radical na estrutura social de suas manadas. A matança dos machos, a separação de pais e filhos por dezenas de anos consecutivos, gerou uma geração de elefantes jovens sem referencias.
Pelo visto não é só na terra dos primatas que esse fenômeno está acontecendo.
A matéria segue discorrendo sobre comportamentos relativos à liderança entre abelhas, macacos, leões, formigas e outros bichos.
Espantosa a similaridade com o comportamento dos humanos, principalmente no ambiente empresarial e particularmente nos momentos de crise ou sucessão de lideranças.
Entre os animais ou humanos, liderança é necessária e estressante.
Leões, hoje em dia, raramente ficam mais de 6 anos como líderes do bando. A média de permanência dos presidentes de empresas caiu de aproximadamente 12 anos há uma década para atuais 8 anos.
Me ocorre que talvez devamos incluir a Zoologia nos programas de MBA para executivos.

8 comentários:

Ti disse...

Será uma demonstração de que é, no mínimo estranho, continuarmos insistindo que somos "seres racionais"?

Ernesto Dias Jr. disse...

MBA já é um treinamento para morcegos: como voar no escuro sem enxergar um palmo à frente no nariz.

A.Tapadinhas disse...

E eu aposto, Flávio, que os animais não iam aprender nada connosco...
Abraço.
António

Jorge Lemos disse...

Acabo de escrever um texto para a proxima edição do meu jornal sobre um tema semelhante: Os animais imitam os homens? Que tipo de energia (mentalica) emanamos que possa alterar os seres diferenciados? Uma nova Torre de Babel se instala, isto sem pessimismo, dura realidade.

Digo num dos meus poemas: "Zumbis, zombais, tristes dias, futuros áis!"

Amanda Arthur disse...

E, seguindo a linha dos seus últimos posts sobre passado e futuro, talvez exercícios de vidência e adivinhação também sejam indicados às aulas de MBA...

Derek disse...

No mundo animal, a lei do mais forte prevalece, e basta.
No caso, nós humanos.

Anne M. Moor disse...

Será?

Flavio Ferrari disse...

Bem ... sempre tem aquela piada do japonês e do português no aquario ...