Páginas

domingo, setembro 23, 2007

Isso tudo que está aí ...

Cresce a revolta contra isso tudo que está aí.
Vozes se levantam, principalmente da classe educada, clamando para que não calemos.
Mas da conversa com o Walmir e a Ti, concluí que as coisas não vão mudar tão cedo.
Isso porque essas mesmas vozes clamantes da classe educada, estacionam seus carros em fila dupla, aproveitam relacionamentos para filar filas ou obter pequenos favores, etc, etc, ou seja, buscam pequenos benefícios em detrimento dos outros quando está ao seu alcance. Se estiverem no poder, buscarão grandes benefícios.
De qualquer forma, é pouco provável que conseguissem chegar lá, porque também não estão dipostos a trabalhar para o bem da comunidade.
A maioria não frequenta as reuniões de condomínio de seu próprio prédio e são poucos os que se canditatam a síndico (uma chatice, convenhamos, já que não se ganha nada para isso).
Ou seja, são parte de tudo isso que está aí ...

10 comentários:

Walmir Lima disse...

Por isso o pensamento milenar de Platão persiste e é válido nos dias do Brasil de hoje.
Os bons precisam se envolver com a política, para evitar que sejam governados pelos maus.

Ju disse...

E eu proponho que organizemos um grupo que FAZ diferente!
Que tal?
Eu to falando sério!

Walmir Lima disse...

Finalmente desperto, depois das altas da madrugada, lamentamos as ausências dos demais. Porém, como eu disse à Ti, maravilhosa anfitrã, e ao Flávio, fui um privilegiado e tive o lindo casal todinho pra mim pra conversar por horas. Foi simplesmente delicioso. BABEM!
(...egoísta? Eu?...)

Jorge Lemos disse...

Flávio:
concprdo com vc.
Ao mesmo tempo em que sinto, por consciência e respeito a espécie humana, bradar contra aqueles que insultam a nossa dignidade e verticalidade. Conconcordo com a JU:
vamos mostrar que nos fazemos parte do grupo que FAZ DIFERENTE com nossos exemplos de vida e
brados de alerta.
Admiro VC.

Ti disse...

Walmir,

Volte sempre, realmente o ar intimista permiti-nos falar assuntos dos mais diversificados!!

Jú,

Acredito que podemos fazer a diferença nas pequenas coisas. No nosso trabalho e, principalmente, na educação dos filhos.

O governo não existirá mais em breve e a área privada será a grande responsável pela sociedade. Para o futuro, não imagino sermos governados por "pessoas físicas" e sim por instituições formadas por empresas privadas.

Será utopia?

Beijos

É! disse...

"Todo amor é amor próprio"
As pessoas têm se preocupado demais consigo e menos com os outros...
Talvez seja um ciclo, visto que é possível que tenha sido assim um dia e no caminho, alguém se perdeu...
Estamos recomeçando... pena que demore tanto.
É preciso estar inteiro para conseguir ajudar os outros, não?
Talvez isso tudo esteja mesmo a cargo das próximas gerações, pq a nossa já está entregue aos vícios-egoístas...
Não custa ter esperança. Sempre!

Anne M. Moor disse...

Talvez utópico Ti... Mas eu diria, tbm assustador!!! Acho que não é por aí. Concordo contigo que é pelas 'pequenas' coisas que podemos fazer a diferença, cada qual em sua área de atuação.
O que tu dizes aqui, Flávio, é o grande problema. As pessoas, que se dizem "de bem" parecem ter perdido a noção do certo e do errado ao mesmo tempo em que palavras/atos como competência, honestidade, pensar no outro, etc. foram empurrados para um lugar de 'breguice' pelos 'do mal' e aceito pelos 'do bem'... A grande pergunta é COMO virar as coisas, fazer as pessoas levantar a cabeça e lutar pela competência, pela honestidade, enfim, pelo bem...????

Anne M. Moor disse...

Estarei em São Paulo em final de outubro, início de novembro e quero muiiiiiiiiiiiiiiiiitos happy hours desses aí... :-)

doppiafila disse...

Dupla fila... e' a primeira vez que vejo o meu alias em portugues...
Um abraco, Doppiafila

Anônimo disse...

E quando os maus se ravestem de bons, o que fazemos?