Páginas

quinta-feira, maio 14, 2009

De lunfardos a argots


Dificil falar outras línguas com naturalidade.
Um dos grandes desafios são as gírias. Quanto mais desencanado um povo, pior (tente traduzir "desencanado" para outro idioma).
Para quem trabalha em empresas multinacionais, uma grande diversão é traduzir expressões ao pé-da-letra para os visitantes de outros países. "The cow went to de swamp" (a vaca foi para o brejo) faz parte da aula introdutória.
Descobrir qual é a palavra utilizada para designar uma gíria também não é uma tarefa fácil. Na Argentina, gíria é "lunfardo"; na frança "argot".
É também curioso notar que algumas gírias são bastante similares entre países.
"Mamado" é um sujeito que bebeu muito, tanto no Brasil quanto na maioria dos países hermanos de lingua espanhola. Mas seu equivalente "borracho" faz com que nossas Borracharias sejam motivo de gozação.
Os Argentinos tem mania de usar palavras relativas a comida com outro sentido. Um "nhoque" é similar ao nosso "marajá" (alguém que enriquece com a política).
Uma das expressões mais divertidas é "la verdad de la milanesa", significando a verdade mais recondida (que tipo de carne está por baixo da farinha e do ovo).
Entretanto, na minha opinião, os campeões em expressões idiomáticas, gírias e quetais são os Mexicanos.
Alguns exemplos:
" De que lado masca la iguana" - de onde vem a sacanagem, o que é que estão aprontando.
" Bebiendo la sangre de mi madre" - dando duro, sofrendo.
" Puta la madre, puta la hija y puta la abuela que las cobija" - aqui ninguém se salva.
" El que no ha visto altar enfrente de qualquier horno viejo se persina" - quem não tem referências fica feliz com qualquer coisa.
" Osana a Dios en las alturas que estamos de mierda hasta las cinturas" - que Deus nos ajude.


(Arguta Café também é cultura - inútil, mas não deixa de ser)

11 comentários:

Udi disse...

Por quê será que, lendo cada um dos exemplos, o filminho que passa tem a cara e a voz da Luisa Hinojosa?

(Humor é arte! ...e cultura das boas!)

Érica Martinez disse...

hahahaha... "aqui ninguém se salva" é ótimo!

(E o "Ohalá" que é até nome de revista em Buenos...)

A. Marcos disse...

Dizem que depois do escândalo do padre que fez filme pornô caseiro e viu ser segredo parar na web, já estão usando o causo como gíria.

Para designar o cidadão que deixou desvendar algum segredo e se ferrou, já há a expressão: "Fulano está dando uma de Padre Duarte".

Quem diz que a língua é dinâmica está corretíssimo.

Philip Rangel disse...

kaopkapoakaopa...

qm dera se salvassemos sempre ne...koapkaa


abraçao

Tetê disse...

Bem... Flávio, se vc chama isto de cultura inútil...
Vc diz o que do meu blog
???
KKKKKKKK

Luna Sanchez disse...

Vou enviar o link para o meu pai : ele vai adorar esse post. ;)

Beijo,

ℓυηα

Anne M. Moor disse...

A beleza da língua. Língua é cultura e a escolha das palavras espelha isso tão bem...

Beijos

Branca disse...

Cultura inútil nada, excelente post com uma dose de humor na medida...adorei!


Bom fds...bjo!

Dri Viaro disse...

Ah Flavio, mas adorei saber!!

bjs otimo fds,. e já to seguindo teu blog

Érica Martinez disse...

e o drama, então? A.M.E.I! hahahaha

C. disse...

Nao tem nada de inútil quando se trata de idiomas, tao importante pra nos locomovermos pelo mundao.